domingo, 24 de junho de 2018

Virada crítica, por Janio de Freitas

Por Janio de Freitas, na Folha - O ambiente de hostilidades no Supremo Tribunal Federal agravou-se. Atinge agora até ministros que jamais contribuíram para injetá-lo onde o país decaído precisava encontrar o seu esteio de ética e sobriedade. A divergência eleva-se a um nível perigoso, já no plano institucional, ao comprometer na opinião pública o conceito de quase metade dos ministros.

A atitude agravante veio de quem foi autor da mais explosiva crítica, no próprio plenário do Supremo e diante das câmeras, aos desregramentos pessoais -então centrados no ministro Gilmar Mendes- que vinham perturbando a a ação e a imagem do tribunal.

Seria impensável, ainda há pouco, haver qualquer agravamento a partir do ministro Luís Roberto Barroso. Tanto mais que, há tão poucos dias, ficou acertado que os ministros discutiam seus votos e divergências antes de irem para o plenário, assim evitando exibições televisivas inconvenientes. Prejuízo para os cidadãos, que perderam as argumentações autênticas e didáticas.

Habituado, com razão, a críticas elogiosas, também elas com razão, Luís Roberto Barroso mostrou receber muito mal as primeiras críticas negativas. Foram por sua posição a favor de prisões após a confirmação em segunda instância, em não após esgotados em vão todos os recursos de defesa -o determinado na legislação. 

Barroso era visto como minucioso valorizador dos sentidos das leis e do direito, na relação com um regime constitucional e democrático. A posição inesperada por certo lhe rendeu aplausos, mas as críticas negativas não foram em menor número. 

Logo em seguida, e desde então, Barroso mostrou-se, como ministro, irritadiço e com insinuações sucessivas, como pessoa, esvaziado do humor e da simpatia, suplantados por certa arrogância.

Ainda assim, e por mais que a derrota o aborreça, não é cabível o seu comentário público sobre a recente derrubada da condução coercitiva à la Moro, por 6 a 5: "Acho que [a derrubada] foi mais uma manifestação simbólica daqueles que são contra o aprofundamento das investigações". 

Primeiro, nada faz verdadeiro o que Barroso diz. Não sendo verdadeiro, é injusto. Sendo injusto, não deveria ser dito por um magistrado. 

Votaram pela derrubada, que acompanhou a legislação já existente, Rosa Weber, Dias Toffoli, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello. 

Despejar sobre todos a acusação de serem "contra o aprofundamento das investigações" escamoteia muitos fatos passados e presentes. E os compromete com a opinião mobilizada contra a corrupção. E isso é inverdadeiro e injusto.

Apoio? 

Na disputa eleitoral pode haver maior rasteira do que o apoio de Michel Temer: "Henrique Meirelles é a continuidade".

De 82% de rejeição. 

***

A seguir, a opinião do jornalista e editor do blog Cafezinho, Miguel do Rosário, sobre a matéria transcrita: 

"Desde que o identificamos como aliado incondicional dos piores arbítrios da Lava Jato, começamos a criticar o ministro Luís Roberto Barroso. 

Dessa vez, porém, seu destempero perdeu qualquer limite. 

Ao insinuar que seus colegas do STF que venceram a última votação sobre condução coercitiva, por 6 x 5, banindo de uma vez por todas essa excrescência lavajateira, este instrumento de pura violência e exceção, fizeram-no por serem "contra o aprofundamento das investigações", Barroso desceu ao nível mais baixo de sua vida. Ou seja, acusou-os de protegerem bandidos. 

O ministro tornou-se um desses personagens tristes e furiosos que infestam as caixas de comentários de blogs e portais, com a única diferença de que ele, Barroso, veste uma toga, ganha o maior salário do serviço público, afora as palestras milionárias que dá Brasil a fora. 

Não consigo compreender porque esse infeliz foi nomeado ministro do Supremo!

Os juízes que derrubaram a condução coercitiva, em lealdade ao que está na Constituição, foram Rosa Weber, Dias Toffoli, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello. 

A Lava Jato não apenas serviu para derrubar um governo, destruir grandes e estratégicas empresas, devastar o mercado de trabalho e abrir o país à mais selvagem invasão neoliberal em muitas décadas. Serviu também para apertar o torniquete imperialista sobre o judiciário brasileiro. 

Sugiro aos internautas, mais uma vez, a minha série "Quem ganhou com o golpe", que lembra o papel do Wilson Center e seu Brazil Institute, e o projeto chamado Diálogos Judiciais, que levou ministros do STF para participarem de reuniões e seminários em Washington. Um dos mais assíduos sempre foi Luis Roberto Barroso."   

***
Imagem: reprodução

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente e compartilhe. Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger