Mostrando postagens com marcador estudo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador estudo. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Interferência online afeta eleições em todo o mundo

Estudo realizado por uma agência de monitoramento da democracia, chamada Freedom House, revela que governos e elementos locais [políticos e empresários] utilizaram a internet para influenciar 26 de 30 eleições nacionais em todo o mundo, incluindo a situação no Brasil.
Leia Mais ►

terça-feira, 4 de junho de 2019

Estudo científico comprova que a solidão nos deixa doentes e pode matar [vídeo]

A solidão pode ter grande impacto sobre a nossa saúde física e mental. De acordo com estudos, pessoas solitárias correm um risco maio de desenvolver hipertensão, câncer e até sofre ataques cardíacos. Nas sociedades modernas, a solidão é considerada um perigo maior que o fumo, o alcoolismo e a obesidade.
Leia Mais ►

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Estudo diz que a concentração de mídia no Brasil é pior entre 11 países

Por Kiko Nogueira, no DCM - A Deutsche Wille deu uma matéria sobre o novo relatório sobre a concentração da mídia brasileira divulgado pela organização internacional Repórteres Sem Fronteiras. A pesquisa foi feita em parceria com a ONG Intervozes e financiada pelo Ministério de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha. A apuração durou quatro meses e abrangeu os 50 veículos de comunicação com maior audiência no país e os 26 grupos econômicos que os controlam.

"Até agora, o Brasil foi o primeiro país pesquisado em que nenhuma das empresas respondeu a nossas perguntas sobre quem são os seus proprietários", diz Olaf Steenfadt, diretor do projeto. 

O quadro é tenebroso e, talvez, pior do que você esperava. Reproduzo alguns trechos:

- "Assim como os ruralistas, antes chamados de latifundiários, os proprietários dos meios de comunicação possuem um vasto território nas ondas das TVs e das rádios, combinando interesses econômicos e políticos com o controle rigoroso da opinião pública"-, diz o texto.

- O Brasil ocupa a pior colocação dos 11 países já analisados pela RSF - Colômbia, Peru, Camboja, Filipinas, Gana, Ucrânia, Sérvia, Tunísia e Mongólia também foram alvo da pesquisa. 

- O país recebeu a pior nota em quase todos os indicadores, nos quais o estudo se baseia para medir os riscos para a pluralidade da mídia, avaliando ítens que vão desde concentração de propriedades e de audiência, passando por regulamentação sobre propriedade de mídias, até o nível de transparência sobre o controle das empresas. Apenas um dos indicadores brasileiros não foi considerado como "de alto risco para a pluralidade da mídia". 

- "Até agora, o Brasil foi o primeiro país pesquisado em que nenhuma das empresas respondeu a nossas perguntas sobre que são os seus proprietários", relata Olaf Steenfadt, diretor do projeto MOM [Monitoramento da Propriedade da Mídia, em inglês, Media Ownership Monitor] e integrante da Repórteres Sem Fronteiras Alemanha, em entrevista à DW. "Isso nunca tínhamos visto antes", acrescenta. 

- A pouca transparência sobre a propriedade dos grupos de comunicação, segundo o levantamento, se deve também à falta de uma obrigatoriedade legal para divulgação da estrutura acionária, além da inexistência d um monitoramento pelo poder público. Alguns grupos de mídia se negaram a responder, alegando razões "estratégicas" ou relacionadas à concorrência.

- "Falta no Brasil um quadro regulador", diz Steenfadt. "As poucas leis que existem não são implementadas. E as empresas não veem motivo para se abrirem de alguma foram, para serem transparentes", lamenta. "A mídia não é como qualquer outro setor econômico. É importante saber quem a controla", opina o especialista. "Os cidadãos têm direito de conhecer os interesses por trás dos meios de comunicação que consomem."

- No segmento de televisão, mais de 70% da audiência nacional é concentrada em quatro grandes redes, das quais uma detém mais da metade da audiência: a Rede Globo. Essas grandes redes nacionais ampliam ainda mais seu poder sobre a informação, destaca o MOM, através do domínio adicional de múltiplos segmentos. Grandes redes nacionais de TV aberta pertencem a grupos que também controlam emissoras de rádio, portais de internet, revistas e jornais impressos, segundo o estudo. 

Os dados estão disponíveis na página do MOM.

***

Leia Mais ►

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Brasil terá entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de ‘novos pobres’ até o fim do ano


Um estudo do Banco Mundial revela que, entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de brasileiros passarão a viver na pobreza até o fim deste ano. A instituição baseou sua análise sob dois cenários: um menos e o outro mais pessimista. No primeiro, prevê um aumento em 2017 de 8,7% para 9,8% na proporção de pessoas pobres (considerando uma linha de pobreza de 140 reais).
Leia Mais ►

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Será que você ajudou a disseminar notícias falsas? Vejas os sites e notícias mais compartilhados


Carta Campinas - Aquela notícia espetacular, que chama a tua atenção, pode ser bem uma notícia falsa que você ajudou a disseminar nas redes sociais. Dois levantamentos mostram os sites de notícias falsas mais divulgados no Brasil.

Um estudo do Monitor do Debate Político no Meio Digital, da USP, mostra sites mais compartilhados que publicaram notícias falsas em 2016. Normalmente são sites  que não têm autoria, são anônimos e estão bombando nas redes sociais. Eles disseminam boatos, calúnias e difamações.
http://portal.comunique-se.com.br/on-the-media-lanca-manual-em-portugues-para-identificar-noticias-falsas-na-internet/
Clique  aqui para conferir 11 dicas simples que ajudam a identificar notícias falsas na internet
(http://portal.comunique-se.com.br/)
Veja lista, segundo o estudo da USP divulgado pela DCM (veja texto) e pela Issoénoticia:

* Ceticismo Político: http://www.ceticismopolitico.com/
* Correio do Poder: http://www.correiodopoder.com/
* Crítica Política: http://www.criticapolitica.org/
* Diário do Brasil: http://www.diariodobrasil.org/
* Folha do Povo: http://www.folhadopovo.com/
* Folha Política: http://www.folhapolitica.org/ — que faz um trocadilho com o nome do caderno Folha Poder do jornal Folha de S.Paulo
* Gazeta Social: http://www.gazetasocial.com/
* Implicante: http://www.implicante.org/
* JornaLivre: https://jornalivre.com/
* Pensa Brasil: https://pensabrasil.com/

Outra reportagem, sobre o tema, publicada pela Fundação Perseu Abramo (veja texto), mostra que mais de um milhão de usuários compartilharam notícias falsas em 2016. O texto é de Pedro Camarão e utilizou a ferramenta chamada BuzzSumo para verificar a origem das notícias e se elas são verdadeiras ou falsas.

A ferramenta tem imprecisões, mas segue alguns sites com as notícias falsas detectadas pela ferramenta.

– “Prêmio Nobel de literatura, fala ao mundo: Lula é a fonte de toda a corrupção no Brasil” publicada em folhacentrosul.com.br

– “Lei de incentivo à corrupção” publicada em republicadecuritibaonline.com

– “Executivo morto em acidente de avião denunciou corrupção e foi demitido da Vale por Dilma” do site ilisp.org

– “Pressionada por 21 países Corte de Haia quer novas eleições no Brasil, prisão de Lula e fim da corrupção” do site verdademundial.com.br

– “Moro destrói defesa de Gleisi: Está comprovado que corrupção da Petrobras abasteceu campanhas” do site ucho.info

– “Alguns dos crimes de Mario Soares: traição, instigação ao genocídio, corrupção, roubo, tráfico, enriquecimento ilícito” do site direitapolitica.com

– “Arrogante, Gleisi diz estar ‘acima da PF’ para contestar indiciamento por corrupção passiva” do site cersarweis.com

– “Dirceu implora por liberdade, mas Moro lembra que corrupção mata milhões” do site papotv.com.br

– “Rede Globo será investigada pelo FBI em esquema de corrupção bilionário” do site plantaobrasil.net

– Lava Jato causou prejuízo de 140 bilhões ao Brasil e recuperou apenas dois bilhões da corrupção” do site falandoverdades.com.br

– “PT apodrece na corrupção e é varrido do mapa político” do site istoe.com.br

-“Professor petista preso em esquema de corrupção é criticado pela própria filha” do site jornalivre.com

– “Urgente: Odebrecht põe Dallagnol no ‘chão’ e afirma que o comandante geral da corrupção seria Michel Temer” do site clickpolitica.com.br

– “Bolsonaro é o único candidato a presidente que não foi citado em esquemas de corrupção” do site br.blastingnews.com

– “Acusada mais uma vez de corrupção, senadora Gleisi, vai perder o mandato e ir presa” do site jornaldopais.com.br

– “Jornal dos EUA afirma: ‘Brasil caiu em teia de corrupção durante os governo Lula e Dilma’” do site br.blastingnews.com

– “Trump abrirá guerra contra a corrupção e cita a Lava Jato como exemplo” do site brasilverdeeamarelo.org

– “Mujica é atingido por escândalos de corrupção. Por que não estou preso?” do site lucianoayan.com

***
Leia Mais ►

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Metade dos brasileiros reprovam a reforma da previdência, diz estudo


PODER360 - "Pesquisa aponta que 47% dos brasileiros reprovam a reforma da previdência. Os entrevistados acreditam que a idade ideal para se aposentar é 57,5 anos, em média.  O estudo foi realizado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).

Leia a apresentação e a análise elaborada pelas entidades.


Entre os que desaprovam a reforma, 28% dizem que é merecido se aposentar cedo e ter um tempo de descanso após tantos anos de trabalho. E 25% desaprovam porque a proposta irá prejudicar quem já trabalhou mais de 30 anos.

Apesar da maioria ser contra a reforma, 60% disseram não ter mudado sua maneira de agir com relação à aposentadoria. Entre os 40% que alteraram o modo de pensar, o aumento da importância do planejamento da aposentadoria é a principal mudança (20%), principalmente entre os entrevistados das classes A e B.

Para os 20% que aprovam a reforma, o principal argumento é que o número de pessoas mais velhas está crescendo. Metade dos favoráveis disseram que a previdência não se sustentará a longo prazo sem aprovação da reforma. Outros 18% dizem que a mudança tornará o sistema mais justo, eliminando as diferenças entre funcionários públicos e da iniciativa privada e 13% afirmam que as pessoas estão vivendo mais e com mais saúde.

Discussão sobre a reforma

O levantamento demonstra que 56% dos entrevistados têm acompanhado de alguma maneira a discussão. No total, 19% afirmam estar por dentro de todo o processo e alterações, principalmente os mais velhos (31%).

Dos 38% que afirmam não estar acompanhando o debate sobre o tema, a maioria é de mulheres (44%), jovens (52%) e entrevistados das classes C, D e E (43%).

Despreparo

Embora a maioria (95%) reconheça que os brasileiros devem pensar na aposentadoria, 38% afirmam que não se preparam para o momento de parar de trabalhar. As principais justificativas apontadas foram: o fato de nunca sobrar dinheiro (34%), seguida da alegação de ser muito cedo para pensar no assunto (20%) e 16% não sabem como fazer.

Para os entrevistados, a maneira mais comum de se preparar para a aposentadoria é por meio do INSS pago de maneira autônoma (17%). Outros 15% apontaram em poupança. As pessoas mais velhas (82%) e entrevistados das classes A e B (72%) são os que mais se preparam para o momento de deixar de trabalhar."

***

Leia Mais ►

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Como duas pesquisadoras estão derrubando clichês sobre a política no Brasil

Por Thiago Guimarães - da BBC Brasil, em Londres - "O brasileiro é racista e privilegia candidatos brancos ao votar. Políticos corruptos se mantêm no poder porque o eleitor é ignorante. Quem recebe Bolsa Família é conivente com o governo. ONGs são um ralo de dinheiro público no Brasil. Será?
A julgar pelos estudos de duas jovens pesquisadoras brasileiras em ciência política, não."

clichês da Política no Brasil

"Natália Bueno e Nara Pavão, ambas de 32 anos, se destacam no meio acadêmico no exterior com pesquisas robustas que desmistificam chavões da política brasileira que alimentam debates em redes sociais e discussões de botequim.

Natural de Belo Horizonte (MG), Natália faz doutorado em Yale (EUA), uma das principais universidades do mundo. Em pouco mais de oito anos de carreira, acumula 13 distinções acadêmicas, entre prêmios e bolsas.

A pernambucana Nara é pesquisadora de pós-doutorado na Universidade Vanderbilt (EUA). Soma um doutorado (Notre Dame, EUA), dois mestrados em ciência política (Notre Dame e USP), 16 distinções.

Em comum, além da amizade e da paixão pela ciência política, está o interesse das duas em passar a limpo "verdades absolutas" sobre corrupção, comportamento do eleitor e políticas públicas no Brasil.

Eleitor é racista?


O Brasil é um país de desigualdades raciais - no mercado de trabalho, no acesso à educação e à saúde. Atraída pelo tema desde a graduação, Natália Bueno verificou se isso ocorre também na representação política.

O primeiro passo foi confirmar o que o senso comum já sugeria: há, proporcionalmente, mais brancos eleitos do que na população, e os negros são subrepresentados. Por exemplo, embora 45% da população brasileira (segundo o IBGE) se declare branca, na Câmara dos Deputados esse índice é de 80%.

E como a diferença foi mínima na comparação entre população e o grupo dos candidatos que não se elegeram, a conclusão mais rasteira seria: o brasileiro é racista e privilegia brancos ao votar.

Congresso-Abertura

Para tentar verificar essa questão de forma científica, Natália montou um megaexperimento em parceria com Thad Dunning, da Universidade da Califórnia (Berkeley). Selecionou oito atores (quatro brancos e quatro negros), que gravaram um trecho semelhante ao horário eleitoral. Expôs 1.200 pessoas a essas mensagens, que só variavam no quesito raça.

Resultado: candidatos brancos não tiveram melhor avaliação nem respondentes privilegiaram concorrentes da própria raça nas escolhas.

Mas se a discrepância entre população e eleitos é real, onde está a resposta? No dinheiro, concluiu Natália - ela descobriu que candidatos brancos são mais ricos e recebem fatia maior da verba pública distribuída por partidos e também das doações privadas.

Políticos brancos também receberam, em média, R$ 369 mil a mais em contribuições de campanha do que não brancos. A análise incluiu dados das eleições de 2008, 2010 e 2014.

"Se a discriminação tem um papel (na desigualdade racial na representação política), ela passa principalmente pelas inequidades de renda e riqueza entre brancos e negros que afetam a habilidade dos candidatos negros de financiar suas campanhas", diz.

Corruptos estão no poder por que o eleitor é ignorante?


A corrupção é um tema central no debate político atual no Brasil. E se tantos brasileiros percebem a corrupção como problema (98% da população pensa assim, segundo pesquisa de 2014), porque tantos políticos corruptos continuam no poder?

A partir de dados de diferentes pesquisas de opinião - entre elas, dois levantamentos nacionais, com 2 mil e 1,5 mil entrevistados -, a recifense Nara Pavão foi buscar respostas para além do que a ciência política já discutiu sobre o tema.

Ato contra corrupção

Muitos estudos já mostraram que a falta de informação política é comum entre a população, e que o eleitor costuma fazer uma troca: ignora a corrupção quando, por exemplo, a economia vai bem.

"Mas para mim a questão não é apenas se o eleitor possui ou não informação sobre políticos corruptos, mas, sim, o que ele vai decidir fazer com essa informação e como essa informação vai afetar a decisão do voto", afirma a cientista política.

A pesquisa de Nara identificou um fator chave a perpetuar corruptos no poder: o chamado cinismo político - quando a corrupção é recorrente, ela passa ser vista pelo eleitor como um fator constante, e se torna inútil como critério de diferenciação entre candidatos.

Consequência: o principal fator que torna os eleitores brasileiros tolerantes à corrupção é a crença de que a corrupção é generalizada.

"Se você acha que todos os políticos são incapazes de lidar com a corrupção, a corrupção se torna um elemento vazio para você na escolha do voto", afirma Nara, para quem o Brasil está preso numa espécie de armadilha da corrupção: quão maior é a percepção do problema, menos as eleições servem para resolvê-lo.

Quem recebe Bolsa Família não critica o governo?


O programa Bolsa Família beneficia quase 50 milhões de pessoas e é uma das principais bandeiras das gestões do PT no Planalto. Até por isso, sempre foi vitrine - e também vidraça - do petismo.
Uma das críticas recorrentes pressupõe que o programa, para usar a linguagem da economia política, altera os incentivos que eleitores têm para criticar o governo.

Famílias beneficiadas não se preocupariam, por exemplo, em punir um mau desempenho econômico ou a corrupção, importando-se apenas com o auxílio no começo do mês.

Material de campanha

Deste modo, governos que mantivessem programas massivos de transferência de renda estariam blindados contra eventuais performances medíocres. Seria, nesse sentido, um arranjo clientelista - troca de bens (dinheiro ou outra coisa) por voto.

Um estudo de Nara analisou dados do Brasil e de 15 países da América Latina que possuem programas como o Bolsa Família e não encontrou provas de que isso seja verdade.
"Em geral, o peso eleitoral atribuído à performance econômica e à corrupção do governo é relativamente igual entre aqueles que recebem transferências de renda e aqueles que não recebem", afirma.

A conclusão é que, embora esses programas proporcionem retornos eleitorais para os governantes de plantão, eles não representam - desde que sigam regras rígidas - incentivo para eleitores ignorarem aspectos ddo desempenho do governo.


ONGs são ralo de dinheiro público?

Organizações de sociedade civil funcionam como um importante instrumento para o Estado fornecer, por meio de parcerias e convênios, serviços à população.

Diferentes governos (federal, estaduais e municipais) transferem recursos a essas entidades para executar programas diversos, de construção de cisternas e atividades culturais.
Apenas em nível federal, essas transferências quase dobraram no período 1999-2010: de RS$ 2,2 bilhões para R$ 4,1 bilhões.

Cisterna

Esse protagonismo enseja questionamentos sobre a integridade dessas parcerias - não seriam apenas um meio de canalizar dinheiro público para as mãos de ONGs simpáticas aos governos de plantão?
Com o papel dessas organizações entre seus principais de interesses de pesquisa, Natália Bueno mergulhou no tema. Unindo métodos quantitativos e qualitativos, analisou extensas bases de dados, visitou organizações e construiu modelos estatísticos.

Concluiu que o governo federal (ao menos no período analisado, de 2003 a 2011) faz, sim, uma distribuição estratégica desses recursos, de olho na disputa política.

"A pesquisa sugere que governos transferem recursos para entidades para evitar que prefeitos de oposição tenham acesso a repasses de recursos federais. Outros fatores, como implementação de políticas públicas para as quais as organizações tem expertise e capacidade únicas, também tem um papel importante."

Ela não encontrou provas, porém, de eventual corrupção ou clientelismo por trás desses critérios de escolha - o uso das ONGs seria principalmente parte de uma estratégia político-eleitoral, e não um meio de enriquecimento ilícito.

"Esse tipo de distribuição estratégica de recursos é próprio da política e encontramos padrões de distribuição semelhantes em outros países, como EUA, Argentina e México", diz Natália.

Corrupção é difícil de verificar, mas a pesquisadora usou a seguinte estratégia: comparou ONGs presentes em cidades com disputas eleitorais apertadas, checou a proporção delas no cadastro de entidades impedidas de fechar parcerias com a União e fez uma busca sistemática por notícias e denúncias públicas de corrupção.

De 281 ONGs analisadas, 10% estavam no cadastro de impedidas, e apenas uma por suspeita de corrupção."


***

Leia Mais ►

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Saiba as maneiras mais eficazes de fixar conteúdo


"No final dos anos 90, Gabriel O Pensador cantava o que ainda é a realidade de muitos alunos: “Quase tudo que aprendi, amanhã eu já esqueci/Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi”. Não importa se você é estudante do ensino fundamental, médio ou superior, para todos fixar os conteúdos aprendidos em sala de aula é muito difícil. Por isso, para que você deixe de se identificar com a letra de “Estudo Errado”, veja algumas maneiras que são comprovadamente eficientes de estudar.

Anotar ainda é a melhor opção para guardar o que o professor expôs durante a aula. No entanto, atualmente, muitos alunos optam por deixar de escrever a mão para digitar num notebook ou tablet os principais conteúdos das disciplinas. Embora seja a opção de 64,3% dos estudantes, os eletrônicos acabam distraindo muitos alunos.

Segundo pesquisas recentes, alunos que digitam suas anotações tendem a gastar de 17 a 75 minutos jogando online (25%), navegando na internet (43%), conversando (68%) ou acessando suas contas de e-mail (81%). Por isso, se você prefere usar seu computador na aula, é essencial que você seja capaz de se concentrar. Caso contrário, você poderá prejudicar sua compreensão dos conteúdos e, consequentemente, seu desempenho.

Estudar diariamente é a melhor fórmula, ou seja, dedique cerca de 40 minutos todos os dias para se dedicar a alguma matéria, deixando tempo para rever os conteúdos vistos na manhã anterior e ao menos 10 minutos de intervalo para descansar. Revisando os conteúdos, as chances de fixação destes aumentam em 60%.

Mas como estudar? O método mais tradicional é muito eficiente, de maneira que ler suas anotações, reescrevê-las e pensar em exemplos que o ajudem a fixar a matéria ainda é uma opção válida. Contudo, se essa maneira é muito abstrata para você, você sempre pode sistematizar os conteúdos de formas criativas, como em poemas e músicas.
Tendo esses dados em mente, avalie qual é o melhor método para você e mude seus hábitos. O diploma pode ficar mais próximo caso você o faça."

Fonte: Universia Brasil


Leia Mais ►

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Dizem que contar dinheiro faz bem...

Eu sinceramente tenho lá minhas dúvidas. Dentre as tarefas das profissões que exerci vida afora, estava justamente a de contar dinheiro. Muita moeda. Uma infinidade de notas de todos os valores. De seis a oito horas por dia. Portanto me permito a discordar, em parte, de um estudo publicado recentemente no Psychological Science [...]
Leia Mais ►

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger