sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Copo meio cheio, Copo meio vazio

Temo que se torne hábito repercutir postagens de temas ou assuntos que "garimpei" por aí na Blogosfera. Porém, existem matérias que se destacam por contribuírem para o aprendizado. E julgo ser importante  compartilhar pois trazem um conteúdo reflexivo, que intensifica o impulso de dividir com os leitores e amigos. Difundir conhecimento é bom, inclusive para exercitar o poder do raciocinio. Tanto o nosso, como o de outrem.
Neste caso, poder observar a manifestação dos detratores, com suas sentenças inquisidoras ou libertárias, como: "o copo está cheio da metade pra baixo"; "o copo está vazio da metade pra cima", faz pensar.

Tinha ouvido falar desta metáfora desde muito jovem. Achei que o copo estava, na realidade "pela metade". Mas relutava com a ideia que deveria estar sempre cheio, conservando a visão otimista para afastar os maus pensamentos e conservar os bons.

Como tudo neste mundo nada se cria (copia) , tudo se transforma (segundo não sei quem), verifique esta excelente adaptação sobre a metáfora do copo meio cheio, copo meio vazio.




Fonte: Sedentário
Adaptação: EVELRYU.
Imagem: reprodução/Google

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

5 comentários:

Anônimo disse...

De todos os pontos os destaques são o Otimista e o Idealista...

O resto é balela (rs)

Mas vi no sedentário tbm...

GUARACI CELSO PRIMO disse...

Quando me foi apresentada esta questão (lá por mil novecentos e tarará) não houve esta pluraridade de pontos de vista. Mais uma vez Parabéns ao autor.

sacodefilo disse...

Pois é.. e esse post fecha com o que eu escrevi na história da Branca de Neve. O referente é o mesmo, o que difere são os sentidos que atribuímos a ele. Um evento pode ter tantas versões quantas forem as pessoas que o presenciem. O copo d’água teve várias leituras. Se você gosta do assunto, tem um livro do Umberto Eco chamado “seis passeios pelo bosque da ficcção” em que ele apresenta um esquema de construção do sentido do texto baseado em seis elementos interagentes... Muito bom. Hoje, já é claro em termos de lingüística textual que o sentido está em quem lê... isso é muito legal. Ô assunto bom.
Abraços

GUARACI CELSO PRIMO disse...

Valeu a dica Marcelo. Atualmente estou lendo "O Pêndulo de Foucault"como subisídio a sequência de Posts.Parabéns peo Blog. Há nele assuntos que serviram para posts que tenho no prelo.
Um abraço.

Anônimo disse...

Muito bom este quadro com as definições para o copo meio cheio.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger