segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Brasileirão 2016: resumo e melhores momentos da 22ª rodada

A 22ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016, será concluída nesta segunda-feira com o confronto entre Atlético paranaense e Botafogo, na Arena da Baixada, às 20:00 horas. Se o Furacão vencer, cola na Ponte Preta, que chegou à 7ª colocação com a vitória sobre o Corinthians, por 2 a 0. Este jogo foi no Moisés Lucarelli, único da rodada realizado no Sábado (27). Caso o Botafogo vença o rubro-negro da terra dos pinheirais, pula para o 11º lugar na frente do São Paulo.
Leia Mais ►

domingo, 28 de agosto de 2016

Somos os palhaços do impeachment, por Luis Fernando Veríssimo

Jornal GGN - "Luis Fernando Veríssimo escreve em O Globo deste domimgo (28), na véspera da última sessão do julgamento do impeachment de Dilma Rousseff, que não seria nenhuma surpresa se após o afastamento defitinivo da presidente reeleita em 2014 a Câmara decidisse não mais cassar o mandato de Eduardo Cunha, premiando-o com o título de "herói do impeachment".

Isso, para o escritor, faz sentido num cenário em que Michel Temer comete os mesmos "crimes de responsabilidade" que Dilma e nenhum jornal faz grita sobre isso; Sergio Moro, o juiz que vaza grampo presidencial, é "justiceiro" para a maioria da população, e Gilmar Mendes é o único que se levanta contra os abusos da Lava Jato. Que dose! Melhor evitar o espelho para não descobrirmos que somos os palhaços nessa história toda, diz Veríssimo."



247 - "Depois da provável cassação da Dilma pelo Senado, ainda falta um ato para que se possa dizer que la commedia è finita: a absolvição do Eduardo Cunha", diz o escritor Luis Fernando Verissimo, um dos maiores intelectuais brasileiros; "Pela lógica destes dias, depois da cassação da Dilma, o passo seguinte óbvio seria condecorarem o Eduardo Cunha. Manifestantes: às ruas para pedir justiça para Eduardo Cunha!"; neste fim se semana, Le Monde e New York Times ridicularizam o Brasil; no jornal francês, o impeachment foi chamado de golpe ou farsa; no NYT, Dilma é devorada por ratos; Verissimo faz ainda um lembrete: "evite olhar-se no espelho e descobrir que, nesta ópera, o palhaço somos nós"



"Neste fim se semana, Le Monde e New York Times ridicularizam o Brasil. No jornal francês, o impeachment foi chamado de golpe ou farsa (leia aqui). No NYT, Dilma é devorada por ratos (aqui)."

Por Luis Fernando Veríssimo

Ri, palhaço

Em O Globo

Depois da provável cassação da Dilma pelo Senado, ainda falta um ato para que se possa dizer que la commedia è finita: a absolvição do Eduardo Cunha. Nossa situação é como a ópera “Pagliacci”, uma tragicomédia, burlesca e triste ao mesmo tempo. E acaba mal. Há dias li numa pagina interna de um grande jornal de São Paulo que o Temer está recorrendo às mesmas ginásticas fiscais que podem condenar a Dilma. O fato mereceria um destaque maior, nem que fosse só pela ironia, mas não mereceu nem uma chamada na primeira página do próprio jornal e não foi mais mencionado em lugar algum.

A gente admira o justiceiro Sérgio Moro, mas acha perigoso alguém ter tanto poder assim, ainda mais depois da sua espantosa declaração de que provas ilícitas são admissíveis se colhidas de boa-fé, inaugurando uma novidade na nossa jurisprudência, a boa-fé presumida. Mas é brabo ter que ouvir denúncias contra o risco de prepotência dos investigadores da Lava-Jato da boca do ministro do Supremo Gilmar Mendes, o mesmo que ameaçou chamar o então presidente Lula “às falas” por um grampo no seu escritório que nunca existiu, e ficou quase um ano com um importante processo na sua gaveta sem dar satisfação a ninguém. As óperas também costumam ter figuras sombrias que se esgueiram (grande palavra) em cena.

O Eduardo Cunha pode ganhar mais tempo antes de ser julgado, tempo para o corporativismo aflorar, e os parlamentares se darem conta do que estão fazendo, punindo o homem que, afinal, é o herói do impeachment. Foi dele que partiu o processo que está chegando ao seu fim previsível agora. Pela lógica destes dias, depois da cassação da Dilma, o passo seguinte óbvio seria condecorarem o Eduardo Cunha. Manifestantes: às ruas para pedir justiça para Eduardo Cunha!

Contam que um pai levou um filho para ver uma ópera. O garoto não estava entendendo nada, se chateou e perguntou ao pai quando a ópera acabaria. E ouviu do pai uma lição que lhe serviria por toda a vida:

— Só termina quando a gorda cantar.

Nas óperas sempre há uma cantora gorda que só canta uma ária. Enquanto ela não cantar, a ópera não termina.

Não há nenhuma cantora gorda no nosso futuro, leitor. Enquanto ela não chegar, evite olhar-se no espelho e descobrir que, nesta ópera, o palhaço somos nós.

***

Leia Mais ►

Impeachment: após 12 horas, termina fase de depoimentos; Dilma será ouvida na 2ª

Agência Brasil (*) - Após mais de 12 horas de depoimentos neste sábado (27), foi concluída a fase de oitivas das testemunhas de defesa e de acusação do julgamento do processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff. O último a depor nesta fase foi o professor de direito tributário da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Ricardo Lodi Ribeiro, que falou como informante.

impeachment-Dilma Roussef-Senado
Lodi foi questionado por 13 dos 81 senadores, além do advogado de defesa José Eduardo Cardozo e da acusação Janaina Paschoal. Na avaliação de Lodi, os decretos editados pela presidenta em julho e agosto de 2015 não eram considerados infração até aquela data pelo Tribunal de Contas da União, que só em outubro mudou seu entendimento. “Não entro no mérito dessa mudança ser positiva ou negativa. Naquela momento em que foram editados os decretos, esse entendimento não existia”, disse.

Ao ser questionado pelo senador Magno Malto (PR-ES), que Dilma teria alterado a meta e “limpado a cena do crime”, Lodi disse que não houve crime então, “não houve limpeza de cena”. O depoimento de Lodi durou cerca de três horas e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e dos trabalhos, Ricardo Lewandoswski pediu, no início do depoimento, para que o professor se limitasse a responder às perguntas sobre o aspecto técnico e não se manifestasse politicamente. Hoje também foi ouvido o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa, que respondeu às perguntas dos senadores por mais de oito horas.

Sessão convocada

Ao término dos trabalhos, o Lewandoswski convocou a continuidade da sessão de julgamento do processo de impeachment para segunda-feira (29), quando a presidenta afastada Dilma Rousseff fará sua defesa pessoalmente no plenário do Senado. Dilma terá 30 minutos iniciais, que poderá ser prorrogado por mais 30, e cada senador poderá fazer questionamentos por até cinco minutos, as quais Dilma poderá responder, ou não, e utilizar para isso o tempo que julgar necessário.

Até o momento já se inscreveram para questionar Dilma 47 dos 81 senadores. A presidenta afastada estará acompanhada de cerca de 30 pessoas, entre ex-ministros, presidentes de partidos aliados, assessores e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Neste domingo, às 11h, os defensores doimpeachment vão se reunir no Senado para traçar estratégias sobre os questionamentos que farão a Dilma e os próximos passos do processo. Aliados de Dilma também terão reuniões neste domingo com a presidenta afastada, mas no Palácio do Alvorada, para se preparar para a sessão de segunda-feira.

(*) Iolando Lourenço - Repórter da Agência Brasil
Edição: Fábio Massalli

***

Leia Mais ►

sábado, 27 de agosto de 2016

Má diplomacia põe em risco Programa Mais Médicos

Por Ronnie Aldrin Silva, no Brasil Debate - "Preconceitos e falta de habilidade do governo podem levar à saída dos profissionais cubanos do Programa, causando um impacto devastador. O número de pessoas no país assistidas cairia de 62,9 milhões para 25 milhões."



"O Programa Mais Médicos, lançado em 2013 com o objetivo de suprir a carência de médicos nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades do Brasil, e que leva atualmente mais de 18.000 médicos para estas regiões, corre o risco de deixar de assistir 38 das 63 milhões de pessoas atualmente atendidas.
 
Isto decorre do abalo na relação do governo interino com o cubano no que toca à operacionalidade e continuidade da cooperação no Programa. Se do lado brasileiro não há simpatia e habilidade diplomática, além do interesse em reduzir a participação de profissionais cubanos no programa; do lado cubano há a preocupação de que alguns termos da parceria sejam revistos, como a remuneração dos profissionais.
 
Cerca de 67% dos profissionais do Programa são oriundos da cooperação com Cuba, outros 24% são médicos com CRM brasileiro, além de 9% de intercambistas, formados no exterior. Todos atuam na Atenção Básica e nas equipes de Saúde da Família. A situação coloca em risco a substituição de 2.400 médicos cubanos que deverão retornar a Cuba após as eleições, bem como a totalidade de mais de 11.000 profissionais do país que possuem como data expiração do vínculo o mês de setembro de 2017.

Cobertura geográfica do Programa e possíveis impactos negativos

Conforme observa-se na Tabela 1, o PMM atualmente está presente em todos os estados da federação e em 4.058 municípios brasileiros, cerca de 72,9% do total. As regiões Norte, com 82,4%, e Nordeste, com 78,4%, são as que possuem maiores proporções de municípios pactuados. Já a região Sudeste, com 61,8% de seus municípios aderidos, é a que possui o menor percentual.

Fonte: Ministério da Saúde/2016
Nestes municípios, e em mais 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas, estão distribuídos os 18.240 médicos do Programa. As regiões que possuem maior quantidade de profissionais são a Nordeste, com 6.504 médicos, e Sudeste, com 5.298, concentrando praticamente 2/3 do total de profissionais do programa. A região Centro-Oeste é a que possui menor quantidade de profissionais, 1.318.
 
Das 62,9 milhões de pessoas assistidas atualmente pelo Programa, 22,4 milhões estão no Nordeste, 18,3 no Sudeste, 10 no Sul, 7,6 no Norte e 4,5 milhões na região Centro-Oeste.
 
Na figura 1 observam-se dois mapas. O primeiro mostra o território brasileiro praticamente coberto por municípios aderidos ao Programa. São apenas 1.512 cidades que não possuem demanda, ou não aderiram a esta política. É possível notar manchas de menor cobertura nos estados de Tocantins (apenas 53,2% de municípios aderidos), Minas Gerais (59,8%), São Paulo (59,7%), Piauí (66,5%) e Goiás (67,55), apesar de São Paulo e Minas Gerais serem dois dos três estados com maior número de profissionais do Programa, com 2.528 e 1.556 respectivamente.




No segundo mapa da figura 1, estimou-se a futura cobertura do Programa Mais Médicos caso a cooperação com o governo cubano não seja continuada, e o impacto é grande. Nota-se que os números praticamente se invertem, com apenas 1.569 municípios atendidos pelo programa e 4.001 descobertos. Apenas os estados do Ceará, Distrito Federal, além do Pará e Amazonas por terem municípios territorialmente grandes, apresentam cerca de metade ou mais de seus territórios cobertos pela parceria. Todos os demais estados sofreriam drasticamente pela redução do atendimento, o que causaria, além de desatendimento, uma sobrecarga no sistema público de atenção básica atual.
 
A distribuição da população atualmente atendida pelo PMM é demonstrada no primeiro mapa da figura 2, e percebe-se o contorno de cidades com as tonalidades laranja e marrom (acima de 10.000 pessoas atendidas por município) predominando no território nacional, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste, bem como nos polos urbanos de médio e grande porte de todas as regiões.

Estados como São Paulo (8,7 milhões de pessoas assistidas), Bahia (5,9 milhões), Minas Gerais 5,4 milhões), Ceará (5,1 milhões) e Rio Grande do Sul (4,4 milhões) são os com o maior número de pessoas beneficiadas pelos atendimentos do Programa.



No segundo mapa da mesma figura, onde estimou-se o impacto da saída dos profissionais cubanos, nota-se um cenário devastador. O número de pessoas assistidas no país cai de 62,9 milhões para 25 milhões de pessoas, com os mesmos estados supracitados numa população beneficiária bem inferior, sendo São Paulo (2,2 milhões de pessoas assistidas), Bahia (2,3 milhões), Minas Gerais (2 milhões), Ceará (2,8 milhões) e Rio Grande do Sul (1,8 milhões).

Uma política que vem dando certo

Muito combatido no início pela classe médica brasileira e suas entidades representantes,o Programa recebeu nota 9 de seus usuários em pesquisa realizada pela UFMG em mais de 700 municípios brasileiros. Cerca de 85% dos entrevistados informaram que o atendimento melhorou desde a implantação do Programa.
 
O atendimento mais humanizado, interessado e paciencioso, com presença diária dos médicos nas unidades básicas foram os elogios mais citados. Embora tenham indicado a melhora, as críticas ficaram por conta da dificuldade em retirar remédios e infraestrutura física dos postos de saúde.

Além dos dados anteriormente citados, o Programa atende cerca de 660.000 indígenas em 5.700 aldeias, já propiciou 5.306 novas vagas em cursos de medicina, sendo 1.690 em 23 novos cursos em universidades federais, criou 4.742 vagas em residências médicas para especialização em áreas da atenção básica, e melhorou a estrutura ou construiu cerca de 26.000 UBS. Notou-se uma ampliação de 33% no número de consultas realizadas nos municípios que participam do Mais Médicos, contra 15% observado em cidades que não aderiram à ação.
 
Com resultados consistentes e percebidos pela população, em uma atuação universalista e que combate a desigualdade social e a dificuldade de acesso a serviços públicos básicos para o pleno exercício da cidadania, o Programa Mais Médicos carece de uma maior atenção e melhor atuação por parte do atual governo. Exigindo, inclusive, a quebra de preconceitos políticos e um menor conservadorismo na formulação e gestão de políticas públicas, para que não se regrida nas políticas de atenção primária à saúde e se prejudique, em consequência, milhões de brasileiros."

Crédito da foto inicial: OPAS/OMS

VIA

***

Leia Mais ►

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Copa Sul-Americana 2016: Coritiba perde para o Vitória na estreia

O Coritiba estreou com derrota na Copa Sul-Americana 2016. Perdeu de virada para o Vitória-BA por 2 a 1, na Arena Fonte Nove, em Salvador. Com este resultado, a equipe baiana tem a vantagem do empate ´no jogo de volta, na próxima quarta-feira (31), no Couto Pereira. O Coxa precisará vencer por um gol ou mais gols de diferença para se classificar. Assista aos melhores momentos da partida. 

No primeiro tempo, o Vitória perdeu um pênalti com Kieza cobrando na trave e pelos menos duas grandes chances de sair na frente. Mas o Alviverde paranaense foi melhor, com várias oportunidades de gol perdidas, abrindo o placar aos 43 minutos. Kléber deu ótimo passe para Dodô, que cruzou na medida para Evandro bater de primeira e marcar 1 a 0 Coxa.


Na segunda etapa, foi o rubro-negro baiano que dominou o jogo com o time paranaense recuado. Aos 18', Cardenas foi derrubado pelo goleiro Wilson, o árbitro marcou novo pênalti, que Diego Renan cobrou e empatou a partida. A virada do Vitória vei aos 14 minutos, no cruzamento de Diogo Matheus a zaga do Coxa falhou e a bola sobrou para Kieza. Com tranquilidade o atacante tocou pro fundo da rede marcando o gol da vitória do time baiano. Coritiba, perde mais uma vez de virada na temporada.

As duas equipes voltam a campo pelo Brasileirão 2016, no domingo (28). O Vitória pega o lanterna América-MG e o Coritiba joga contra o São Paulo, no Morumbi.



(com informações da Gazeta Esportiva)

Leia Mais ►

Zumbis à brasileira

Por José Roberto Cabrera, em Outras Palavras - "Os zumbis estão em alta. Às vezes temos a impressão que além de nos preocuparmos com as coisas da vida real que nos assustam, temos que olhar para outras coisas, vivas ou não. São diversas séries de TV, filmes em profusão. Não há festa à fantasia em que os zumbis não apareçam.


Os filmes sobre zumbis povoam as telas dos cinemas. Desde o primeiro filme estrelado por Bela Lugosi em 1932 (White Zombie), numa época onde os negros eram atores brancos pintados, até as superproduções hollywoodianas da atualidade, com orçamentos que extrapolam os US$ 200 milhões (Guerra Mundial Z, 2014) os zumbis ocupam um espaço de destaque no imaginário do terror.

Os zumbis são um recurso (interessante) para realizarmos a crítica ao mundo que nos cerca. Da paranoia anticomunista do macarthismo estadunidense à crítica ao individualismo consumista dos nossos dias, os zumbis funcionam como um arremedo de nós mesmos, premidos por modelos de sociedade incapazes de estimular a solidariedade e um mundo além do próprio umbigo.

Alguns desses filmes produzem reflexões, intencionais ou não, que nos obrigam a olhar a realidade de outra forma. Desde o clássico como a Noite dos Mortos-Vivos (“The Night of the Living Dead”, 1968) de George Romero, passando pela crítica política e social de Wes Craves em A Maldição dos Mortos-Vivos (“The Serpent and the Rainbow” [1], 1988) ou pelo excelente humor de Todo Mundo Quase Morto (“Shaun of the dead”, 2004) os zumbis servem para uma reflexão tenebrosa, divertida e apurada da realidade, com todos os exageros possíveis.

As histórias são conhecidas e, depois de alguma tensão e muitos sustos, as sequências se repetem: hordas de mortos-vivos cambaleantes, cinzentos e com partes do corpo faltando, andam insaciáveis em busca de sangue. Normalmente ninguém sabe como começou, mas eles estão por toda a parte e são assustadores. Seu vizinho simpático, irmão, namorada, mãe, o melhor amigo, o padre ou o pastor sempre viram zumbis. O policial da cidadezinha, a vizinha sexy, o caixa do banco etc. todos eles transformam-se e querem arrancar um pedaço seu.

Estão mortos e são atraídos pelo sangue dos vivos. Movimentam-se com dificuldade, quase como bêbados, e são determinados a conquistar seu objetivo, embora a realização dele não implique na diminuição da intensidade dos ataques, nem na saciedade da fome.

Nos filmes, os vivos se escondem e não podem se movimentar com rapidez para não chamar a atenção. Buscam outros vivos e com eles estabelecem estratégias de sobrevivência. Muitos não conseguem sobreviver, mas a busca pela liberdade e pela vida estabelece o fio condutor de todos eles.

Ainda que ninguém tenha explicado isso convincentemente, os zumbis morrem depois de serem atingidos na cabeça. Um tiro, uma flechada, um taco de baseball ou qualquer outra coisa que atinja o cérebro é o único meio de detê-los. Assim, o objetivo é destruir os corpos já destruídos a partir do cérebro, embora os zumbis não demonstrem muita intenção de utilizá-los.

Podemos dizer que, apesar da bizarrice intrínseca, a analogia com o Brasil dos dias de hoje é evidente. Com a saída da direita reacionária do armário nos últimos anos, as hordas de zumbis das telas encontraram companhia nas ruas.

Nossos zumbis reais cambaleiam errantes em busca de sangue. Tudo o que é vermelho e lembra sangue os mobiliza. Eles vagueiam por aí procurando o sangue dos vivos para se alimentar. O diálogo é impossível, como nos filmes – afinal são espécies diferentes e uma se alimenta da outra. São insaciáveis, pois não basta atacar um e destruí-lo é necessária a destruição total.

Assim como os zumbis, nossas hordas de direitistas empedernidos não podem ouvir o movimento dos vivos para bradar pelo seu fim. Nem sempre usam de violência, mas a idolatram como forma de vida. O tratamento dispensado aos que são diferentes: mulheres, negros, pobres, homossexuais, indígenas ou que pensam fora de seu padrão é sempre baseado na violência, seja ela física, verbal ou legal.

Os ataques são sofisticados, utilizam seus porta-vozes na mídia, muitos dos quais nem precisariam de máscaras para interpretar zumbis no cinema. Procuram mudar as leis, impor padrões, cercear a liberdade de expressão, mas sempre em nome da democracia e da civilidade.


Procuram transformar os que os criticam em criminosos. Usam seus monopólios para estimular os preconceitos e ganhar mais seguidores. Caminham errantes em busca da próxima vítima. Alguns vivos se deixam enganar e, mais cedo ou mais tarde, como nos filmes são devorados e viram exemplos que não se deve confiar em quem se alimenta de seu sangue.

Mas, como nos filmes, os vivos buscam proteger-se uns aos outros. Esse talvez seja um dos maiores desafios políticos e sociais do presente: reconhecer os vivos e ganhar força para enfrentar as hordas de zumbis que nada, além do sangue dos vivos, têm a oferecer. Ganhar força significa discutir alternativas, preservar a vida, estabelecer objetivos de curto e médio prazo, analisar cuidadosamente a situação, superar as divergências, organizar as forças, não dispersar os recursos, estudar os momentos certos de ataque e ter em mente que o ponto fraco do adversário é o cérebro.

Destruir o cérebro exige argumentos que sejam eficazes, capazes de convencer os indecisos, imobilizar o adversário, demonstrar a justeza da crítica aos mecanismos baseados na violência e na destruição do adversário. Restabelecer a iniciativa desse tipo de ataque exige humildade para reconhecer a fraqueza de alguns argumentos e de algumas práticas que criaram confusão, ao mesmo tempo em que impõe o desafio de superar os limites impostos pelas práticas dominantes no interior das estruturas do Estado.

Os desafios são imensos, mas como em qualquer bom filme de zumbi é necessário encará-los e ir até o final. Se o roteiro será bom ou não, depende de diversos fatores, mas a disposição e a inteligência na hora de enfrentar os desafios é fundamental.

O que não podemos esquecer é que os zumbis de Hollywood dançaramThriller do Michael Jackson, enquanto os nossos dançam ao som de Fábio Jr. e Lobão, talvez isso nos dê alguma vantagem."

***
Leia Mais ►

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Futebol: começaram as oitavas de final da Copa do Brasil 2016

Nos quatro primeiros confrontos das oitavas da Copa do Brasil 2016, realizados nesta quarta-feira (24), Juventude, Santos, Grêmio, saíram na frente dos adversários na disputa por uma vaga nas quartas de final. Pode-se dizer, que a Ponte Preta também obteve certa vantagem. Assista aos melhores momentos desses jogos, logo abaixo. A Macaca empatou com o Galo, fora de casa, no Mineirão.
Leia Mais ►

Ao vivo: Senado dá início ao julgamento da presidente Dilma Rousseff

El País - "O Senado dá início nesta quinta-feira à fase final do julgamento do impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff (PT), sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. A expectativa é que a decisão final sobre o impeachment ocorra entre até a próxima quarta-feira (31). Dilma deve ser ouvida na segunda-feira (29). Caso o Senado decida mesmo pelo impeachment, Michel Temer (PMDB) deixa de ser presidente interino e assume a presidência. Veja como será o cronograma do julgamento."







LINK DIRETO AQUI::

***
Leia Mais ►

Seguidores

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger