segunda-feira, 20 de julho de 2009

Memorável 20 de julho.

Há exatos 40 anos o homem pisou no solo da Lua. Muita gente ainda não acredita nesta conquista que representou um marco na evolução humanidade, desmistificando sonhos e superstições.
Neil Armstrong, astronauta americano foi o primeiro a descer ao solo acompanhado de mais dois integrantes da tripulação da astronave chamada Apollo 11 : Edwin Aldrin e Michael Collins.
Veja um resumo especial dessa historia no site Terra, que inspirou um dentista argentino chamado Enrique Febbano, a escolher a data de 20/07/1969, como o dia internacional da amizade promovendo uma grande comemoração que se tornou oficial na Argentina, se propagando nos anos seguintes para outros países.
De sorte, recebi por e-mail uma mensagem relembrando esta data que me fez refletir da importância que os amigos representam em nossa vida, quando provam que realmente fazem questão de vivenciar o nobre sentimento da amizade. Coinscidentemente, estou lendo o segundo livro do grande amigo Rui Morel, que me presentiou com um exemplar enviado via correios.
Este ato real da prova que ainda se cultivam boas e genuínas amizades me levou a transcrever uma das diversas crônicas baseadas em momentos vividos por ele próprio, compiladas no compêndio que tem o mesmo título, (Momentos) cujos escritos você pode conferir no Blog de sua responsabilidade chamado: "Aprendendo por aí". Então, para comemorar o dia do amigo, vamos a uma simples e genuína historinha, que nos faz recordar das conversas gostosas que mantemos só com grandes amigos.

LENDA DO BAÚ.

Apeou do Zaino para abrir a porteira. Ouviu um tropél e já foi ficando cabreiro.
- Mas será o carcanhá do sapo!
Não esperou pra ver. O tipo, sovina que só, muito desconfiado, desistiu de continuar a andança, se jogou em cima dos baxeiros, cravou a espora na barriga do cavalo, deu meia volta e se mandou embora. Não que seja supersticioso mas, por via das dúvidas, é melhor evitar o que já tinha lhe alcontecido.
A história é a seguinte: diz-se
que em épocas não tão remotas os jesuítas haviam enterrado panelas de dinheiro (moedas espanholas de ouro) na região. O tipo resolveu desenterrar uma delas, sozinho, e não ia dividir com nenguém.
Tinha mania de praticar esses atos à noite. Mas aquela noite não era de lua cheia, estava um breu. Chegou na Serra do Baú, já à noitinha, amarrou o potro recém amansado, numa pimenteira forte. Havia caprichado nos arreios e colocado um pelego novo pra dar sorte.
Catou a picareta, com cabo de guatambu, alisado com lixa da cidade. Ele era um vivente muito caprichoso. Marcou cinco passos prá lá e três pra cá, assinalou no chão e começou a cavar. De acordo com ele, aquele pinheiro com galhos de um lado só, era a referência. Desceu a picareta no chão cascalhado, e até que não era muito duro. Ali no lado esquerdo, o potro baio, comeou a comer folhas da pimenteira, e tudo ia muito bem, até que o boitatá apareceu atrás deles, com um zóião arregalado, soltando fogo pelo carcanhá, e uivando feito um guzerá afoito.
O cavalo, já sob efeito da erva, arrebentou o buçal e saiu em disparada. Sumiu. O Zé largou a picareta no chão e se perdeu no guanchê, foi levando bracatinga no peito.
Está procurando a botina até hoje...


Eu, "cá comigo", tenho certeza de quem vai gostar muito dessa prosa é o Tabuí e seus causos, o amigo blogueiro mais que virtual, Eurico.

Segue um vídeo que sempre se ouvia nas festas de despedidas de muitos amigos que foram obrigados a um dia, partir. Mas que sempre ficaram em nossa lembrança.



Se você gosta de boa música, curta essas que celebram a amizade:

- You've Got A Friend.
- Ben.
- Amizade sincera.
- Amigo é pra essas coisas.
- Amigos para sempre.

Você vai gostar de ler: Faça aos outros aquilo que você gostaria que fizessem pra você.

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

3 comentários:

APRENDENDO POR AI disse...

Guaraci, quanto elogio. Acho que não mereço, mas agradeço mesmo assim. Grande abraço-Rui Morel.

Roselene Semprebom Freire disse...

Bom dia
Sou professora, estou fazendo um trabalho sobre Quilombos, vi um comentário seu sobre Campina dos Morenos, preciso de informações para fazer a citação, pois o utilizei num trabalho cientifico, mas não estou conseguindo encontrar o texto, poderia me passar as informações,esta em algum artigo seu? Num livro? Onde?

Roselene Semprebom Freire

Roselene Semprebom Freire disse...

Esqueci, meu email: lenesfreire@hotmail.com, ou semprebom@seed.gov.pr.br

Postar um comentário

Comente e compartilhe. Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger