sexta-feira, 11 de março de 2016

Prensa na imprensa

Por Marcelo Migliaccio (*), no Rioacima - Alguns jornalistas assustados vêm reclamando que o PT "criou uma bandeira de ódio contra a imprensa". Segundo eles, o partido tem estimulado agressões a jornalistas. A primeira pergunta a ser feita é se foi o PT quem incentivou manifestantes a virarem os carros do jornal O Globo quando o presidente Getúlio Vargas, envolvido num mar de lama nas manchetes, deu um tiro no próprio peito. Não, o Partido dos Trabalhadores sequer existia em 1954.

De lá para cá, a conduta dos empresários que dominam a comunicação de massa no Brasil pouco ou nada mudou. Apoiaram o golpe militar de 1964, encobriram a corrupção e o entreguismo durante a ditadura a troco de facilidades para ampliarem seus impérios, criaram nacionalmente uma imagem falsa de Fernando Collor para torná-lo o primeiro presidente civil, nos empurraram Tancredo/Sarney em seguida e transformaram os governos do PSDB em autênticos contos de fadas.

Quando o PT chegou ao poder, em 2002, os grandes jornais, revistas e emissoras de TV e rádio mudaram radicalmente de conduta, passando do adesismo sustentatório a uma oposição ferrenha e combativa. É fato que já perseguiam o partido desde sua fundação. Quando surgiu como líder sindical no ABC paulista, Lula passou oito anos sem aparecer no principal telejornal do país. Discricionário, o jornalismo praticado pela emissora líder de audiência e pelas que a copiam também assassinou em vida brasileiros ilustres como Darcy Ribeiro, Paulo Freire, Jango, Juscelino e Leonel Brizola, que teve mais espaço no noticiário no dia de sua morte do que nos 40 anos anteriores, período em que governou o Rio por duas vezes, enfrentando oposição ferrenha, diga-se.

As pessoas estão vendo. Muita gente, graças a Deus, não tem cérebro de minhoca. E se revolta. A imprensa chama todo mundo que apóia o atual governo, eleito democraticamente, de "militante do PT. Bolas, são brasileiros. Alguns se filiaram a um partido outros a centrais sindicais. Mas, antes disso, são brasileiros. Estigmatizá-los, só reforça a atmosfera belicosa em que vivemos.
 
Hoje, felizmente, muita gente é capaz de analisar criticamente a informação que recebe. A credibilidade desse noticiário enviesado e míope foi se diluindo com o passar dos anos. Basta dizer que o PT venceu as últimas quatro eleições diretas apesar de todo o catastrofismo das manchetes, das pragas dos colunistas de aluguel, das capas de revistas caluniosas em vésperas de votação.
 
Alguns desses jornalistas assustados juram que toda a classe sempre apoiou o PT e que está decepcionada porque o partido, quando chegou ao poder, repetiu velhas práticas condenadas por ele mesmo. Pode ser. Onde tem dinheiro, tem ladrão. Há corruptos nos EUA, na China, no Japão e até no Vaticano. Digo que o PT fez diferente sim, porque foi o primeiro a cortar na própria carne e o único que distribuiu a riqueza nacional de verdade, tirando o país do mapa da fome e dando chance aos pobres de chegar à faculdade. Claro, ainda falta muita coisa, estamos pagando a conta de séculos de desmandos, exclusão, enfim... do que fez a oligarquia que mandou no Brasil de 1500 a 2002.

O povão nunca esquece de quem lhe fez bem. A popularidade de Lula e seu favoritismo para o pleito de 2018 mostram isso. De nada adianta a imprensa insuflar manifestações como a deste domingo. Mais uma vez, o trabalhador, o sem terra, o sem teto não estarão presentes. Será mais um carnaval fora de época em que a classe média devoradora de novela _ e que teve como professoras Xuxa e Marlene Mattos _ ocupará as áreas de lazer das capitais para praguejar raivosamente contra o PT. Envenenaram tanto o cérebro do Hommer Simpson no noticiário que sua massa cinzenta virou mandiopã. Agora ele é um cão que baba de ódio ao ver uma camisa vermelha.
 
O radicalismo está instaurado. Os próprios criadores do monstro estão com medo. Não cabem agora queixas chorosas de menino brigão tipo: "Mãe, foi ele que começou".
 
Como dizem por aí, o povo não é bobo e acabou percebendo o jogo da grande imprensa. Querem cassar mais de 54 milhões de votos de maneira calhorda, na base do grito, do rolo-compressor, da manchete condenatória, do apoio editorial a métodos arbitrários do Ministério Público, da oposição no Parlamento e da Polícia Federal nas ruas. Se há condenáveis reações violentas contra jornalistas, a terceira Lei de Newton explica.
 
Lamento que colegas meus estejam dando munição aos golpistas, porque é muito cômodo para quem está com vergonha de apoiar abertamente um lado apontar defeitos no outro.

(*) Marcelo Migliaccio é jornalista, com passagens pelas redações dos principais jornais do Rio, São Paulo e Brasília

***
RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente e compartilhe. Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger