segunda-feira, 1 de julho de 2019

Artigo de procuradora no El País coincide com diálogo vazado pelo The Intercept Brasil

Do El País: Uma nova reportagem do The Intercept Brasil deixou o meio político, jurídico e jornalístico em polvorosa durante a madrugada do sábado quando o site publicou mais um trecho das mensagens trocadas pelo força tarefa da Lava Jato no Telegram. A divulgação das conversas aumentou ainda mais a adrenalina em torno do assunto por dois erros do texto que foi ao ar num momento de guerra de narrativas para desconstruir o material levantado pelo site. A matéria sob o título em aspa "Moro viola sempre o sistema acusatório", citava a data errada de um diálogo (1 de novembro de 2019, e não 2018 como era o correto).
Mencionava, ainda, que uma procuradora citada no chat, Monique Cheker, trabalhava na grande São Paulo, quando na verdade ela atua em Petrópolis, no Rio. Também um tuíte apressado de Glenn Greenwald, um dos funadores do The Intercept Brasil, antes da publicação final do texto que citou erroneamente um procurador [Ângelo Goulart Vilella em vez de Ângelo Augusto Costa] incendiou as redes sociais, com os defensores de Moro desancando o jornalista americano e reforçando a mensagem da falta de credibilidade do The Intercept.

Apesar desses erros, corrigidos pelos editores, o conteúdo da nova reportagem revela trechos de uma conversa privada dos procuradores que coincidem com a linha de raciocínio de um artigo publicado pela procuradora Jerusa Viecili no EL PAÍS Brasil no dia 28 de outubro. 

Segundo as mensagens vazadas, no dia 25 de outubro de 2018 Viecili se queixa pelo fato de a força tarefa da Lava Jato nõ se pronunciar diante de "alguns posicionamentos dos candidatos" à Presidência que anunciavam que não se respeitaria, por exemplo, a eleição de um procurador da República via lista tríplice para a PGR, além de promover ataque insistentes à imprensa. Era nítido que se referia a Jair Bolsonaro que, animado pelas pesquisas que já o elegiam presidente, afirmava que não respeitaria a lista tríplice, iu seja, os três primeiros mais votados nas eleições para para a PGR por procuradores de todo o país. O presidente não é obrigado a seguir essa orientação, mas desde o Governo Lula até o ex-presidente Michel Temer esse critério foi respeitado. 

(...) 

No dia 25 de outubro, Viecili desabafava com os colegas, segundo as mensagens reproduzidas pelo The Intercept Brasil: "Pessoal, desculpem voltar ao assunto (sou voto vencido), mas, somente esta semana, várias pessoas, inclusive alguns colegas e servidores, me questionaram a ausência de manifestação da FT [força tarefa] diante de alguns posicionamentos dos candidatos à Presidência. 

Fato é que sempre nos posicionamentos diante de várias ameaças ao nosso trabalho e, nos últimos dias, temos ficado silentes, mesmo com ameaças de candidatos à independência do Ministério Público (nomeação de PGR fora da lista tríplice) e à liberdade de imprensa.

Em outros tempos, por motivos outros, mas igualmente relevantes e perigosos, divulgamos nota, convocamos coletiva e ameaçamos renunciar (!)" reclama ela, lembrando que isso colocava em xeque a credibilidade do trabalho. "Agora, jornalistas escrevem no Twitter que a LAVA JATO é caso de desparecido político, pois já alcançou o que queria. Acho muito grave ficarmos em silêncio quando um dos candidatos manisfesta-se contra a nomeação do PGR da lista tríplice, diante de questões ideológicas. 

Mais grave ainda, assistirmos passivamente, ameaças à liberdade de imprensa quando nós somos os primeiros a afirmar a importância da imprensa para o sucesso da Lava Jato", dizia ela. "Nossa omissão também tem peso e influência. Eu sinceramente não quero (e isso apenas a história dirá) que a Lava Jato seja vista, no futuro, como perseguição ao PT e, muito menos, como corresponsável pelos acontecimentos eleitorais de 2018", completava.

Diante da falta de apoio registrado no diálogo, Viecili decidiu por si só se posicionar em um artigo enviado ao EL PAÍS Brasil na noite do dia 27 de outubro, e publicado no dia 28, sob o título Corrupção se combate com respeito à liberdade e à imprensa. Assim nasceu a Lava Jato, em que listava dez pontos que um futuro presidente deveria respeitar para não colocar em risco conquistas do país, incluindo a Lava Jato. O artigo assinado por ela diz: "Todos falam em combate à corrupção. Essa foi uma retórica usada muitas vezes para atrair os eleitores, mas também para confundi-los.

Pois não é possível combater a corrupção sem um ambiente que preze pelas liberdades individuais e com uma imprensa livre para investigar e noticiar à sociedade as informações necessárias para a tomada de decisões. Foi nesse ambiente democrático que a Lava Jato surgiu, investigou, acusou, julgou e condenou, demonstrando que a corrupção é sistêmica e endêmica no Brasil, com participação de praticamente todos os partido políticos", assinalava. 

(...)

Imagem: reprodução/DCM

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente e compartilhe. Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger