sexta-feira, 12 de junho de 2020

Covid-19: apenas uma possível vacina no mundo está na fase final de testes

Na quinta-feira (11), o governo de São Paulo anunciou uma parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac, para testar e produzir uma vacina contra o coronavírus assim que ela existir. Apesar do acordo representar um grande passo na corrida mundial pelo imunizante, apenas uma candidata a vacina no mundo já se encontra na fase 3, o estágio final de testagem maciça.

É a da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que terá sua eficácia avaliada em pelo menos 10 mil pessoas a partir do fim de junho.

A vacina em questão é feita a partir de um vírus (adenovírus) atenuado da gripe comum que infecta macacos. O mesmo serve de vetor para levar ao organismo humano uma cópia produzida em laboratório de uma proteína presente no novo coronavírus. A ideia é que o organismo comece a produzir anticorpos capazes de reconhecer e atacar o vírus verdadeiro em caso de uma infecção real.

Considerando-se o êxito de todas as próximas etapas de testes, especialistas apontam que a vacina de Oxford, a mais adiantada, deve iniciar a produção em larga escala até o fim do ano. Isso abriria a possibilidade de disponibilização de uma vacina a parir de abril de 2021. 

Cientistas explicam que dizer que uma vacina é mais promissora ou é a mais adiantada significa que ela se mostrou eficaz em mais etapas dos testes pré-clínicos (feitos com animais), e clínicos (realizados em humanos). Mas não significa necessariamente que ela seja a mais próxima de ser bem-sucedida.

"Quanto mais vacinas investigadas em estágios avançados, melhor. Ela vai se necessária no mundo todo. Existe muita pressa, mas tudo tem de ser feito de acordo com os protocolos de pesquisa", opina a infectologista Rosana Richtmann do Instituto de Infectologia Emilio Ribas. 

Atualmente são 136 possíveis vacinas em estudo no mundo, com dez delas em fase clínica, testadas em humanos. Depois de Reino Unido, a China e Estados Unidos lideram a corrida pelo desenvolvimento de um imunizante.

Testes finas no Brasil 

No Brasil, a vacina do laboratório Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, vai entrar na fase 3 de testes em julho e será a segunda a ser testada no país. Segundo Richtmann, o imunizante utiliza uma tecnologia clássica, já conhecida. Ele é formado pelo vírus Sars-Cov-2 isolado, multiplicado e inativado no laboratório chinês.

A outra vacina que será testada no Brasil integra a parceria da Universidade de Oxford (Reino Unido) com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Serão mil voluntários em São Paulo e outros mil no Rio de Janeiro, os dois estados que concentram a maioria dos casos brasileiros de Covid-19. 

Ainda de acordo com a infectologista, as perspectivas apontam para campanhas de vacinação apenas no ano que vem. "Sou otimista e acredito que tenhamos uma vacina eficaz até o final do ano. Ter produção suficiente para a vacinação para a população deve acontecer no primeiro semestre de 2021". 

Via: Estadão
Imagem: reprodução/Foto: Filippo Bacci/Getty Images

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger