terça-feira, 9 de novembro de 2021

Bolsonaro e Lira esperam que STF reverta decisão que suspendeu a excrecência chamada "orçamento secreto"

Por Redação Ucho.info: (...) a política brasileira é um terreno minado onde inexistem coincidências, muito menos inocentes. O que se vê nesse cenário é uma alternância de falso bom-mocismo, consideradas algumas raras e honrosas exceções. O orçamento secreto, utilizado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro para comprar apoio no Congresso Nacional, é uma excrecência sem precedentes, que por obra e pressão do Palácio do Planalto e dos parlamentares de aluguel tenta vender aos incautos uma aura de normalidade.

www.seuguara.com.br/Bolsonaro/Lira/orçamento secreto/PEC dos Precatórios/STF/

Com a decisão liminar da ministra Rosa Weber, do Suprem Tribunal Federal (STF), de suspender as emendas do orçamento secreto, a PEC dos Precatórios, aberração política que flana no céu da inconstitucionalidade, corre o risco de não ser aprovada em segunda votação na Câmara dos Deputados.

O presidente da República tem criticado a decisão da ministra Rosa Weber, alegando que "cada vez mais o STF interfere em tudo!". Na verdade, o Supremo, que só entra em ação quando provocado, tem o dever de, com base na lei, impedir a criminosa farra decorrente do orçamento secreto.


"Você vê o STF também. Cada vez mais o Supremo, na verdade, interfere em tudo. Hoje teve interferência agora nessa história do orçamento secreto. Orçamento secreto publicado no Diário Oficial da União...Mas tudo bem", disse Bolsonaro em entrevista.


Bolsonaro tem o direito de discordar da decisão da ministra do STF, mas usar recursos públicos sem a devida e necessária transparência é um atentado à democracia. Além disso, o tal orçamento está sendo utilizado para garantir não apenas a aprovação da PEC dos Precatórios, que corre o risco de ser barrada no Senado, mas de outras matérias de interesse do governo que surgirão adiante.


No afã de defender o proxenetismo que reina no Congresso, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), reuniu-se na segunda-feira (8) com o presidente do STF, ministro Luiz Fux, a quem solicitou a derrubada da liminar.


Duramente criticado por receber Lira, o ministro Luiz Fux alegou que o encontro foi institucional e somente ouviu o pleito do presidente da Câmara. O encontro avançou no terreno do absurdo, já que Fux deveria ter descartado de chofre a tese de que o "orçamento secreto" é assunto que compete à Câmara dos Deputados decidir. No plenário eletrônico da Corte, quatro ministros já votaram a favor da suspensão do "orçamento secreto" (Rosa Weber, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Luiz Edson Fachin).


Ao contrário do que alega Arthur Lira, o "orçamento secreto" é um caso de polícia, que em qualquer país minimamente sério e com autoridades responsáveis os protagonistas do escárnio já estariam atrás das grades. Como o Brasil é o paraíso do "faz de conta" e a sociedade é preguiçosa em termos políticos, o rolo compressor de Bolsonaro continua a circular livremente no Parlamento. 


Imagem: reprodução/redes sociais

***







***

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger