quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

Queiroga, o obscurantista - Por Chico D'Angelo

Por Chico D'Angelo*: O homem não é um animal solitário, e enquanto perdura a vida em sociedade, a realização de si mesmo não pode ser o supremo princípio ético. A frase é de Bertrand Russel e me ocorre quando o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se coloca contra o passaporte da vacina e cita uma máxima genocida de Jair Bolsonaro: às vezes é melhor perder a vida do que a liberdade.
www.seuguara.com.br/Marcelo Queiroga/obscurantista/

Além de ser uma rematada bobagem - como se fosse possível usufruir da liberdade se já não há a vida - a frase do ministro envergonha a medicina e mostra como um médico pode rasgar o Juramento de Hipócrates para bajular um presidente negacionista, extremista e em descompasso com o resto do mundo.


Ao admitir e desejar que o Brasil seja o destino de turismo dos não vacinados, em um contexto marcado pelo avanço da variante Ômicron da Covid-19, Queiroga troca qualquer resquício de dignidade pela tentativa de manter o cargo e, quem sabe, se lançar em uma futura candidatura política ancorado no apoio de fascistas ligados ao presidente. 


Vacinação, qualquer criança é capaz de aprender isso no ensino fundamental, é um ato que reverbera na coletividade. A imunização não protege apenas aquele que se vacina, mas também a sociedade em que ele está inserido. O compromisso com a vida no seio de uma coletividade exige, muitas vezes, que abramos mão até de certos pressupostos individuais e egoístas em nome de algo maior: o bem comum.


O que assistimos no Brasil, nos últimos dois anos, infelizmente não é surpreendente. Jair Bolsonaro fez carreira política obscura como um programador do ódio, da tortura, da morte e da ojeriza a qualquer convívio com quem não comunga de suas ideias estapafúrdias. Não havia na carreira pregressa do presidente qualquer sinal de que poderia ser minimamente moderado no exercício do cargo. A expectativa pelo pior se confirmou.


De nossa parte, continuamos na trincheira contra s arautos da morte. A luta pelo passaporte da vacina - recomendado pela Anvisa e por autoridades médicas e científicas diversas - é um compromisso coletivo. Nunca chegamos, na história da República, a um ponto tão baixo e a resignação não é uma hipótese. Lutaremos, no parlamento e nas ruas, para derrotar mais uma vez os obscurantistas, como Marcelo Queiroga, e afirmar o valor da vida.


*Chico D'Angelo é médico e deputado federal (PDT-RJ)

Imagem: reprodução


RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger