sábado, 4 de junho de 2022

Medo de quê?

Por Edna Lima, em Os Divergentes: para surpresa de ninguém, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que não pretende participar dos tradicionais debates entre os presidenciáveis, promovidos pelos principais veículos de  comunicação do Brasil no primeiro turno. Na maior cara-de-pau, chegou a propor que as perguntas fossem previamente combinadas, alegando evitar baixarias. Pura balela. Bolsonaro teme enfrentar questões incômodas, para as quais sabe não ter respostas convincentes para os eleitores.
www.seuguara.com.br/Bolsonaro/debates/eleições 2022/

Por ter consciência do que fez e do que não fez, sabe que será o alvo preferencial dos adversários, não apenas nos debates, mas na propaganda do horário eleitoral no rádio e televisão, que começa em agosto. A diferença é que na propaganda ele terá como responder aos ataques de forma pensada, com uma equipe de profissionais por trás para embalar o conteúdo.


Já no debate, terá que enfrentar Ciro Gomes ou Simone Tebet, ao vivo e sem qualquer ajuda de assessor, com questões que nunca conseguiu responder como, por exemplo, por que seu fiel amigo Fabrício Queiroz depositou R$ 89 mil em cheques na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro? Também poderá ser perguntado por que as despesas com o cartão corporativa são tão altas. Entre março e abril deste ano foram gastos mais de R$ 4 milhões em apenas 35 dias. Em um país onde boa parte da população enfrenta dificuldades, esses valores são simplesmente indecentes.


Os assuntos a serem explorados pelos adversários num debate ao vivo são muitos e desagradáveis para o presidente. Podem perguntar sobre a interferência na Polícia Federal ou sobre o uso da Abin e outros órgãos de Estado para proteger os filhos de investigações, como o senador Flávio Bolsonaro, o 01, enrolado nas "rachadinhas", ou o 04, Jair Renan, de tráfico de influência.


A aliança com o Centrão e o orçamento secreto certamente seriam um prato cheio para os adversários. Afinal, Bolsonaro se elegeu em 2018 prometendo acabar com o toma-lá-dá-cá entre Executivo e Legislativo e o que se viu foi uma verdadeira farra com o dinheiro público. 


Os debates são cansativos e as vezes, de fato, descambam pra baixaria, mas são importantes para os eleitores que não fazem parte das torcidas organizadas de políticos - nem da direita, nem da esquerda. É por meio dos debates que vemos quais são as propostas dos candidatos para os reais problemas do país.


É, também, graças ao enfrentamento entre os candidatos, que relembramos ou tomamos ciência dos malfeitos praticados pelos que querem comandar o Brasil durante quatro anos. Neles, não tem um marqueteiro e sua equipe buscando o voto do eleitor com vídeos emocionantes, depoimentos fabricados historinhas bem contadas. 

Ali, o candidato se expõe de forma mais verdadeira, embora exista toda uma preparação anterior.


Faltar aos debates por não querer dar explicações dos seus erros é, no mínimo, um desrespeito com o eleitor. Para quem, segundo as pesquisas, está atrás na corrida presidencial, poder ser fatal. É o velho dilema de que, se correr, o bicho pega; se fica, o bicho come. 


VIA

Imagem: reprodução/Foto: Orlando Brito


RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger