Mostrando postagens com marcador educação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador educação. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Política: 'Primo do marqueteiro de Temer vai comandar o Fundo Nacional da Educação'

Da Folha de S.Paulo - Um dia após a aprovação da reforma da Previdência na Câmara, o Ministério da Educação do governo Jair Bolsonaro (PSL) anunciou uma troca na presidência do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Assume o cargo Rodrigo Sergio Dias, 35, ex-presidente da Funasa (Fundação Nacional de Saúde) no governo Michel Temer, primo do ex-ministro das Cidades, Alexandre Baldy (PP), e de Elsinho Mouco, marqueteiro de Temer.
Leia Mais ►

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Governo bloqueia R$ 348 milhões para Educação

Novo bloqueio de verbas anunciado pelo governo Bolsonaro, constante no decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (30), será de R$ 1,443 bilhão. A pasta da Educação foi a segunda mais afetada, com R$ 348,5 milhões bloqueados. Em primeiro lugar ficou o ministério da Cidadania, que cuida da maior parte dos programas sociais do governo, como o Bolsa Família, que além de ter incorporado o extinto Ministério da Cultura teve bloqueio de R$ 619 milhões. 
Leia Mais ►

sexta-feira, 19 de julho de 2019

Educação: fundador do "Escola sem Partido" lamenta o fim do projeto e critica Bolsonaro

Do Desacato - O movimento criado para perseguir professores e tentar convencer estudantes a constranger profissionais da educação está chegando ao fim. E pelas lamentações apresentadas por Miguel Nagib, fundador do "Escola sem Partido", o motivo principal para desistir de suas ações é falta de dinheiro. Ele também reclama de falta de apoio por parte do presidente da República e da classe empresarial.
Leia Mais ►

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Lawfare: solução ou ameaça? [vídeo]

'Lawfare: solução ou ameaça?', "traz ao debate questões como uma possível interferência de atores externos, como os EUA, nos processos de investigação e punição de crimes de corrupção no Brasil". Oportuno para o momento político-jurídico que vivemos no Brasil, o excelente vídeo é uma obra produzida pelos estudantes Pedro Rocha e Rodolfo Becker (orientador: Bruno Lima Rocha), incluso no Projeto Integrador do terceiro semestre do Curso de Relações Internacionais da UNISINOS. 
Leia Mais ►

domingo, 9 de junho de 2019

Governo Bolsonaro deverá ir já na segunda-feira à Justiça para bloquear verbas da Educação

Da Agência Estado: A Advocacia-Geral da União (AGU) está preparando um recurso para derrubar a decisão da juíza federal Renata Almeida de Moura Isaaac, que suspendeu os bloqueios orçamentários realizados pelo Ministério da Educação (MEC) sobre as verbas destinadas às universidades federais e ao Instituto Federal do Acre.
Leia Mais ►

sábado, 1 de junho de 2019

Ministério Público dá 10 dias para MEC cancelar nota sobre manifestações pela Educação

Reportagem de Leandro Prazeres no UOL informa que o MPF (Ministério Público Federal) deu dez dias para que o MEC (Ministério da Educação) cancele a nota oficial divulgada ontem [30/05] na qual o órgão diz que professores, pais e responsáveis de alunos não poderiam divulgar informações sobre as manifestações que ocorreram em pelo menos 24 estados e no Distrito Federal contra a política educacional do governo do presidente Jair Bolsonato (PSL).
Leia Mais ►

sexta-feira, 24 de maio de 2019

"É preciso voltar às ruas", diz professor da UFBA sobre o bloqueio de verbas às universidades

O professor de filosofia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Daniel Tourinho Peres, afirmou que "as universidades estão realmente ameaçadas de fechar", caso o governo Bolsonaro não volte atrás na decisão de bloquear verbas destinadas a despesas de custeio das universidades e institutos federais. "É preciso mais uma vez voltarmos às ruas, de modo ainda mais forte do que no dia 15.
Leia Mais ►

domingo, 19 de maio de 2019

Política: 'Bolsonaro pergunta a alunos de escola privada sobre atos "do pessoalzinho que cortei a verba"

"Na portaria do Palácio da Alvorada, na tarde deste sábado (18), Jair Bolsonaro (PSL) perguntou a alunos do colégio Bandeirantes, de São Paulo, o que eles acharam dos atos convocados por estudantes de instituições públicas de ensino no último dia 15. "E este movimento do pessoalzinho aí que cortei verba, o que vocês acharam?", indagou Bolsonaro, em tom pejorativo.
Leia Mais ►

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Presidente do Inep foi demitido porque Weintraub lhe pediu dados sigilosos de estudantes e ele se recusou a passar

Reportagem de Maria Clara Vieira na Veja - A confusão que culminou do agora ex-presidente do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep), Elmer Vicenzi, começou quando o ministro da Educação Abraham Weintrub pediu acesso a dados sigilosos de estudantes, solicitação que foi negada pelo procurador-chefe do órgão.
Leia Mais ►

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Manifestações em todo o Brasil clamam por Educação neste 15 de maio

Por meio de um decreto assinado no dia 30 de abril, o presidente Jair Bolsonaro decidiu cortar 30% dos recursos às universidades e aos institutos de ensino superior. Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, um dos critérios era a "balbúrdia" que algumas instituições promoviam em seus campis. Em resposta, o Brasil inteiro foi às ruas neste 15 de maio para se manifestar contra a decisão do governo Bolsonaro.
Leia Mais ►

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Ministro da Educação usa chocolates para explicar cortes na Educação e ainda erra a conta [vídeo]

Na live, Abraham Weintraub perguntou se Bolsonaro gostava de chocolate e abriu quatro caixas que, disse, contêm 25 unidades cada uma. Com os 100 chocolates na mesa, citou "uma universidade federal típica, normal, dessas que a gente vê por aí", com "orçamento 1 bilhão de reais por ano", e afirmou que "está todo mundo apertando o cinto".
Leia Mais ►

quarta-feira, 8 de maio de 2019

A serpente sai do ovo, por Luiz Gonzaga Belluzzo

Um governo que anuncia um corte de 30% no orçamento das universidades federais e, ainda, propõe a eliminação dos cursos de filosofia e sociologia dos currículos escolares estaria acometido de qual doença? Em artigo publicado nesta terça-feira (7), no jornal Valor, o professor do Instituto de Economia da Unicamp Luiz Gonzaga Belluzzo procura responder a essa questão, recorrendo aos movimentos históricos que levaram a humanidade a gerar o iluminismo e, agora, a retomar visões medievais.
Leia Mais ►

sábado, 4 de maio de 2019

Tem que tirar Bolsonaro, antes que acabe com o sistema educacional brasileiro, por Luis Nassif

O bloqueio das verbas de custeio, autorizado por Jair Bolsonaro, vai paralisar todo o sistema e ensino superior e dos Institutos Federais de Educação. E foi motivado exclusivamente pela tal guerra ao marxismo cultural que orienta todas as ações de governo e pelos investimentos de Paulo Guedes no setor privado.
Leia Mais ►

domingo, 21 de abril de 2019

A santa sabedoria, por Nilson Lage

Por Nilson Lage* - Pode ser que o universo não tenha começo, função ou finalidade. No entanto, se a lógica dos homens reproduz a razão do Cosmos ( oque muito nos contentaria), havendo criação e criaturas, há Criador. Não se consegue provar o contrário e essa é condição prévia para algo ser verdade: o oposto - falso o que não se pode provar ser verdadeiro - conduziria à eliminação das hipóteses e ao fim da ciência.
Leia Mais ►

quinta-feira, 28 de março de 2019

Deputada de 25 anos coloca Ministro da Educação contra a parede: "Cadê os projetos?" [vídeo]

O ministro da educação, Ricardo Veléz, participou, nesta quinta-feira, de uma reunião na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, onde foi duramente questionado sobre as seguidas nomeações e demissões em cargos da pasta. A participação mais crítica e incisiva na reunião, no entanto, ficou por conta da deputada federal Tábata Amaral (PDT-SP), cientista política e astrofísica de 25 anos e estreante na Casa.
Leia Mais ►

terça-feira, 5 de março de 2019

Bolsonaro cria "Lava Jato da educação" e trata professores como caso de policia

Por Rogério Galindo, no Plural - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) deu início a uma guerra contra os professores do país nesta terça de carnaval. Pelo Twitter, anunciou uma "Lava Jato da Educação" que, segundo ele, tem como objetivo "mudar as diretrizes 'educacionais' implementadas ao longo de décadas". Os quatro posts são uma espécia de convocação a uma guerra santa contra a suposta "doutrinação" que existiria nas escolas brasileiras.
Leia Mais ►

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Sobre a polêmica 'Escola sem Partido'

A estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e assessora de conteúdo do Politize, Isabela Souza, publicou no site uma importante matéria que nos ajuda a entender melhor a polêmica criada em torno do assunto "Escola sem Partido". "O que está em jogo é o modelo de educação escolar em vigência no Brasil. Afinal, a Escola sem Partido garante a imparcialidade ideológica na educação pública ou cria uma lei da mordaça para os professores?"
Leia Mais ►

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

MEC divulga primeira chamada do ProUni 2018

O resultado da edição do primeiro semestre de 2018 do Programa Universidade para Todos (ProUni), que concede bolsas de estudo em instituições privadas de ensino superior, já pode ser consultado no siteprouni.mec.gov.br. Cada candidato podia escolher até duas opções de curso, com integrais e parciais (50%). O critério era a nota obtida no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem). A segunda chamada sai no dia 02 de março. Os cursos terão início ainda no primeiro semestre deste ano.
Leia Mais ►

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Educadores paranaenses recebem menos que o piso nacional


Notícias Paraná - "O Ministério da Educação (MEC) anunciou  o novo valor do piso salarial do professores para 2017. Com ajuste de 7,64% a nível nacional, cresce ainda mais a defasagem do que ganham os professores paranaenses e o que determina a Lei Nacional do Piso.


Graças ao não pagamento da data-base no Paraná, a diferença de 7,18%, em 2016, subiu para 15,98% neste ano. Com o reajuste, o salário inicial do magistério no Brasil – no cargo de 40h – deve ser de, no mínimo, R$2.298,80. No Paraná, os educadores no primeiro nível da carreira recebem R$1.982,10.

A APP-Sindicato denuncia, há anos, o não cumprimento da Lei Nacional do Piso no Estado. Assim como vem defendendo o pagamento da data-base da categoria, destacando que, além de estar abaixo do piso nacional, os educadores estão com perdas reais de salários, já que a data-base foi criada para garantir a reposição da inflação no período."

***
Leia Mais ►

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Piso dos professores tem reajuste de 7,64% e vai para R$ 2.298


Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil - O piso salarial dos professores em 2017 terá um reajuste de 7,64%. Com isso, o menor salário a ser pago a professores da educação básica da rede pública deve passar dos atuais R$ 2.135,64 para R$ 2.298,80. O anúncio foi feito hoje (12) pelo Ministério da Educação (MEC).


O piso salarial dos docentes é reajustado anualmente, seguindo as regras da Lei 11.738/2008, a chamada Lei do Piso, que define o mínimo a ser pago a profissionais em início de carreira, com formação de nível médio e carga horária de 40 horas semanais.

O ajuste deste ano é menor que o do ano passado, que foi de 11,36%. O valor representa um aumento real, acima da inflação de 2016, que fechou em 6,29%. O novo valor começa a valer a partir deste mês.

"Significa um reajuste acima da inflação, cumprindo a legislação", disse o ministro da Educação, Mendonça Filho. "É algo importante porque significa, na prática, a valorização do papel do professor, que é central na garantia de uma boa qualidade da educação. Não se pode ter uma educação de qualidade se não tivermos professores bem remunerados e motivados", acrescenta.

A lei vincula o aumento à variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Pela lei, os demais níveis da carreira não recebem necessariamente o mesmo aumento, o que é negociado em cada unidade federativa.

Aumento de R$ 5,083 bilhões nos gastos municipais

Em um cenário de crise, o reajuste preocupa estados e municípios. Estudo divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que o reajuste do piso salarial dos professores vai gerar um aumento de R$ 5,083 bilhões nos gastos municipais.

De acordo com a CNM, de 2009 a 2016 os gastos com a folha de magistério tiveram uma expansão de R$ 41,829 bilhões. O valor já cresceu 241,9%, muito acima da inflação relativa ao período e maior do que o próprio aumento das receitas do Fundeb.

O Fundeb é formado, na quase totalidade, por recursos provenientes dos impostos e transferências dos estados, Distrito Federal e municípios, vinculados à educação. Além desses recursos, ainda compõe o Fundeb, a título de complementação, uma parcela de recursos federais. Pelo menos 60% desses recursos devem ser destinados a pagamento de pessoal.

Segundo a CNM, atualmente, os municípios comprometem, em média, 78,4% dos recursos do Fundeb apenas com a folha de pagamento desses profissionais, de acordo com dados do Sistema de Informação sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope).
 
Em 2015, mais de 70 Municípios já comprometiam 100% desses recursos.

O ministro da Educação ressaltou que, ao final do ano passado, o governo antecipou o repasse de R$ 1,25 bilhão do Fundeb. "O pagamento foi honrado ainda dentro do exercício de 2016, o que não ocorria. O prazo para que o repasse fosse feito é até abril do ano subsequente", disse.

Ele acrescenta que, em 2017, os repasses aos estados e municípios serão mensais, "o que vai totalizar R$ 1,3 bilhão e ajudará o fôlego dos estados e municípios e suas respectivas folhas", finalizou.

Edição: Kleber Sampaio

***

Leia Mais ►

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger