domingo, 16 de fevereiro de 2014

O “programa” da oposição é o caos. O nosso é o céu

"Os doutos ministros do TSE e seus calendários eleitorais podem dizer o que quiserem, mas as eleições de outubro já começaram. Aliás, seria muito melhor que elas começassem do modo legítimo e civilizado, através dos partidos e dos candidatos que irão disputá-las. Mas, infelizmente – e não é novidade – elas começaram abertamente na mídia.


E não com debates, propostas ou planos para o país.

Mas apenas com uma torcida, desesperada, fanática.

E uma torcida organizada, com os mesmos métodos irracionais tristemente famosos das de futebol.

Só que, ao contrário destas, não usam  o uniforme de seus times nem incentivam seus próprios jogadores.

A torcida é contra os seus adversários e, como seus adversários são o Governo, a torcida acaba sendo contra o país.

A ilustração aí de cima é um resumo – sei lá se posso chamar de irônico – do “programa da oposição”.

É pelo desastre, sem qualquer disfarce.

O amigo leito e a distinta leitora já se acostumou aos títulos, por exemplo do noticiário econômico. “O pior de X anos, o mais baixo/alto desde 2000 e X, a Petrobrás cai/desaba/fale, a energia, o gás, as vendas, a produção idem”….Só não está dando para dizer que a inlfação dispara, mas se houver uma chance…

Há, parece, uma vibração nestes anúncios catastrofistas: hoje a Folha sustentou como manchete de economia que as vendas do comércio foram as “piores desde 2003″, embora tenham crescido 4,3%.  Só lá no final do texto, um gráfico mostra que, antes de 2003, elas caíam, em lugar de subir: menos 1,6, em 2001; menos 0,7 em 2012 e menos 3,7, em 2003 , sob o impacto de herança maldita do segundo governo FHC. E que, além disso, a variação é compatível com a de metade dos anos da década usada como medida: 2004–2013 (confira aqui).

E o desequilíbrio é gritante: se uma linha de transmissão cai por meia hora e tudo se restabelece em duas horas, é a falta de planejamento energético.
Mas se o Metrô de São Paulo pára, com uma multidão caminhando sobre os trilhos, foi alguém que apertou o “botão secreto”, tão secreto que ninguém sabe e ninguém viu.

Por isso, ao mesmo tempo em que temos de buscar, nestes estreitos espaços da blogosfera, restabelecer um pouco de verdade, não podemos ser tolos e muito menos tentar fazer de tolos nossos irmãos, o povo brasileiro.

Nem tudo está tão bom, nem tudo está tão bem.

A elite, a dominação colonialista – agora essencialmente financeira e cambial – está aí, vivinha da silva, espalhando a visão de um Brasil medíocre e inviável.

E a tudo ela oferece a solução que, embora falida desde 2008, continua a repercutir num país que segue dominado por um monólogo de comunicação. E essa solução é o mercado, o mercado e o mercado, o mesmo que, sozinho,  até hoje não os levou a lugar nenhum senão ao atraso, embora ele possa, sim, dentro de estratégias públicas, contribuir para o progresso.
Numa tradução inteligível: ganhem dinheiro fazendo alguma coisa útil a todos.

Cabe, a quem pensa um Brasil justo e desenvolvido – e justiça e desenvolvimento, num país como o nosso, jamais podem ocorrer separadas, ao menos não numa democracia – conservar a serenidade.

Nós já fomos o não, numa época em que, em nome da dignidade humana e do sentimento nacional, esta era a única alternativa ao que se vivia.

Hoje podemos ser o sim, e o sim é generoso, fraterno, humano, quando é coletivo.

O sim autoritário é odioso.

O nosso não é nem pode ser.

Os homens que voam não se ajoelham."


Fernando Brito, no Tijolaço.
Imagem: reprodução


RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente e compartilhe. Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger