sábado, 17 de novembro de 2018

Política: As sete pragas de Lucas Figueiredo para o Brasil

O premiadíssimo escritor e jornalista mineiro Lucas Figueiredo, autor, entre outros, de "Tiradentes" e "Morcegos Negros", faz uma previsão das Sete Pragas que se abaterão sobre o Brasil nos primeiros meses do novo governo. Pela montagem do novo ministério, está cada vez mais claro que, no governo Bolsonaro, o poder de fato vai ficar no colo das Forças Armadas. Confira:

1 - Onix Lorenzoni (Casa Civil) ganhou alguma notoriedade na CPI dos Correios, mas sempre foi um deputado de 2ª linha. O homem que deverá ser a principal referência, perante o Congresso, nas muitas muitas vezes e complexas reformas pretendidas pelo novo governo não gosta e não domina da difícil arte da coordenação política. Antes mesmo de assumir, está sendo fritado por Bolsonaro;

2 - Paulo Guedes, czar da economia, é um fio desencapado. Estouvado e brigão, acredita que as reformas virão no grito (ingenuidade assustadora). Na campanha, levou alguns chega-pra-lá do chefe. E, depois de eleito, Bolsonaro declarou que desconfia de seu projeto para a reforma da Previdência. Como seu estopim é curto, Guedes dificilmente saberá lidar com os percalços que se apresentam à sua frente. Não deve durar 6 meses no governo;  

3 - Ernesto Araújo (Relações Exteriores) acredita que a mudança climática não passa de propaganda comunista, acha que a globalização é pilotada por marxistas e enxerga em Trump um gênio da raça. Não será levado a sério dentro e fora do Brasil; 

4 - Roberto Campos Neto, o guardião da moeda, foi nomeado para o Banco Central por causa do nome e sobrenome, que remetem à fama ultraliberal do avô. Convenhamos: é pouco; 

5 - Sergio Moro acredita que o Ministério da Justiça é uma espécie de superjudiciário, superministério público e superpolícia, tudo junto. Não é. A pasta é um dos maiores mastodontes da burocracia federal, cuida de áreas complexas e explosivas, como terras indígenas, presídios e imigrantes (os venezuelanos de Roraima, por exemplo, serão problema dele). E o ministério tem ainda um peso político imenso, sendo um dos principais defenderes do governo perante à opinião pública e agentes políticos. Com frustrações e desgastes em sua rota, Moro terá dois anos difíceis até, se resistir até lá, poder migrar para o STF, sua meta original; 

6 - Bolsonaro e seu principal assessor, o filho Eduardo, são de uma ignorância constrangedora. O que falta em conhecimento e em formação moral sobre em autoconfiança, uma combinação explosiva. É só abrirem a boca e o governo balança; 

7 - Os dois únicos profissionais gabaritados da turma são os generais Augusto Heleno (GSI) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa). Pode-se não gostar de suas ideias e posições, mas são inteligentes, preparados, têm experiência (burocrática e política) e sabem onde querem chegar (e tem um planejamento de como fazê-lo). Ainda por cima serão escorados pelas áreas técnica das FFAA e pelos serviços de inteligência civil (Abin) e militar (CIE, CIN e CIAER). Azevedo e Silva será o fiador do governo junto aos STF, o que lhe garante um poder gigantesco não só no governo, mas no estado.

Em resumo: o pulmão do governo Bolsonaro irá se materializar na figura desses dois generais quatro estrelas. Um quadro que não acontecia no Brasil há 33 anos. 

Fonte: Nocaute
Imagem: reprodução

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger