sexta-feira, 26 de março de 2021

Ernesto Araújo trabalhou contra aliança global por vacina

www.seuguara.com.br/Ernesto Araújo/chanceler/governo Bolsonaro/vacina/
Da coluna de Guilherme Amado, na Época: Ernesto Araújo não queria que o Brasil integrasse o consórcio global Covax Facility, que entregou um milhão de doses de vacina AstraZeneca/Oxford em 21 de março e ainda entregará outras 41 milhões. A resistência de Araújo, ainda em 2020, era porque via na aliança um fortalecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS), naquele momento atacada por Donald Trump e criticada também por bolsonaristas.
www.seuguara.com.br/Ernesto Araújo/chanceler/governo Bolsonaro/vacina/

O fato de ser uma aliança global também incomodava o chanceler, publicamente contrário ao globalismo - seja lá o que o termo queria dizer. A coisa só mudou quando entrou em campo a embaixadora Nazareth Azevêdo, então representante do Brasil para a ONU em Genebra. Azevêdo insistiu longamente com Araíjo, explicando que, se não aderisse ao Covax Facility, o Brasil perigava não ter nenhuma vacina. Depois de muitas negativas, o chanceler se dobrou, e agora diz que sempre trabalhou pela vacina.


Leia também: Bolsonaro quer "solução Pazuello" para Ernesto Araújo com saída honrosa


Liderado pela OMS, o consórcio Covax Facility é uma coalizão de cerca de 150 países que estimula o desenvolvimento e a distribuição de vacinas contra a Covid-19. Além da primeira remessa no domingo - um milhão de doses recebidas em São Paulo - , o governo brasileiro espera mais 1,9 milhão de doses até o fim deste mês. 


VIA

Imagem: reprodução/divulgação


RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger