sexta-feira, 9 de julho de 2021

Política: CPI da Covid quer saber como reverendo conseguiu mais acesso ao governo que a Pfizer

www.seuguara.com.br/CPI da Covid/
Esta será uma semana quente na CPI da Pandemia. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) está encafifado com um fato: como o PM da ativa Luiz Paulo Dominghetti e o reverendo Amilton Gomes de Paula conseguiram mais acesso ao governo Bolsonaro para negociar vacinas do que empresas renomadas como a Pfizer e a Janssen? Encafifado é palavra antiga: bolado ou intrigado seria melhor.
www.seuguara.com.br/CPI da Covid/

Em entrevista ao Jornal da Dez, da Globonews, Randolfe apresentou uma cronologia que realmente surpreende. 


Ela demonstra que o dono da Precisa/Global, Francisco Emerson Maximiano, desembarcou em Nova Deli, a capital da Índia, para fazer a intermediação com a empresa local Bharat Biotech, argumentando que pretendia "acabar" com o monopólio da Pfizer. 

Maximiano contou com o apoio do embaixador brasileiro e mensagem do presidente Bolsonaro ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, falando em interesse na Covaxin.


Isso, enquanto as negociações com a Pfizer e a Janssen patinavam, para não falar do desprezo explícito de Bolsonaro pela Coronavac, produzida no Instituto Butantan.

O preço da dose da Covaxin saltou rapidamente de U$ 10 para U$ 15, superior à da Pfizer, uma inflação que Randolfe considera surpreendente. 


O governo chegou a reservar R$ 1,6 bilhão do orçamento para a compra, que só não foi bem sucedida porque o servidor público Luís Ricardo Miranda se negou a concordar com um adiantamento de U$ 45 milhões, que seriam depositados em conta no paraíso fiscal de Cingapura em nome de uma empresa, a Madison, que nem constava do contrato.


No início do ano, emenda do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), a MP do governo, autorizou o pagamento antecipado por vacinas, sem que a empresa vendedora pudesse ser punida se não entregasse todas as doses prometidas.


De acordo com o deputado Luís Miranda (DEM-DF), que denunciou o esquema em encontro pessoal com Jair Bolsonaro, o presidente atribuiu a tramoia a Barros - até hoje, o ocupante do Planalto não falou sobre o assunto, nem Barros deixou sua posição de líder na Câmara.


Randolfe lembra que, assim como Maximiano, o cabo da ativa da PM de Minas Gerais, Luiz Paulo Dominghetti, teve acesso inédito a integrantes do Ministério Público da Saúde para vender vacinas.

Mensagens encontradas no celular dele, reveladas pelo Jornal Nacional, mostram que Dominghetti e seus parceiros, ainda não identificados, iam embolsar 25 centavos de dólar por dose. 

Como eles prometiam 400 milhões de doses, embolsariam U$ 100 milhões, ou R$ 509 milhões de comissão.


Dominghetti diz ter negociado com o secretário executivo do Ministério da Saúde, o coronel da reserva Élcio Franco, e com o tenente-coronel Marcelo Blanco, diretor substituto do Departamento de Logística. 

Ambos deixaram seus cargos, Élcio em 26 março e Blanco no dia 30 de junho.

Os militares teriam participado de um "jantar da propina" em um restaurante de um shopping de Brasília, quando Élcio teria pedido ao PM o acréscimo de preço de U$ 1 dólar por dose.

O PM dizia atuar em nome de outra intermediária, a Davati Medical Supplies, dos Estados Unidos, que enxergou na venda de vacinas uma chance de ganhar dinheiro.

 

O terceiro intermediário identificado nas negociações é o reverendo Amilton Gomes de Paula.

Mensagens divulgadas pelo Jornal Nacional mostram que o reverendo, da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários, uma ONG, recebeu autorização do diretor de Imunização do Ministério da Saúde, Laurício Monteiro Cruz, para negociar - também através da Davati - a compra de 400 milhões de doses da AstarZeneca. 

"Nós solicitamos com urgência o FCO atualizado, com o valor de US$ 17,50 como acordado em 5 de março e com a data de entrega", escreveu o reverendo ao presidente da Davati, Herman Cardenas.


Desta negociação teria participado o presidente do Instituto Força Brasil, coronel da reserva Hélcio Bruno de Almeida. 

O Brasil acabou comprando doses da AstraZeneca por U$ 5,25.

Com os depoimentos desta semana, a CPI pretende apurar quais eram os grupos que se digladiavam dentro do Ministério da Saúde para ganhar dinheiro enquanto os brasileiros morriam de covid-19.


Em recente entrevista ao Viomundo, o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha - que enfrentou a H1N1 - disse que nunca recorreu a intermediários para a compra de vacinas e que as compras tradicionalmente sempre foram feitas diretamente entre  governo e empresas farmacêuticas.


Da Redação do Viomundo

Imagem: reprodução


RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger