sábado, 12 de março de 2016

Política: para aqueles que irão na manifestação de amanhã, e para os que não irão

Quem se convenceu do propósito de protestar contra o atual governo, contra o PT, pelo impeachment da atual presidente do Brasil, ou simplesmente contra a corrupção seja lá de quem for, decidiu por opção própria participar da manifestação marcada para amanhã, domingo (13). Certamente, essa pessoa tem plena consciência dos seus direitos previstos na Constituição Federal. Dentre eles, aqueles que asseguram a todos os cidadãos e cidadãs, o exercício da livre expressão do pensamento e de opinião.

Membros de diversos grupos organizadores dessas manifestações, divulgaram através das redes sociais o que seria recomendável levar para uso durante o trajeto do protesto. Como, por exemplo, uma garrafa d'água para a devida hidratação, um celular para registro de cenas inusitadas, ou para captar ações de possíveis hostilidades entre os participantes, dentre outras coisas. 

Por outro lado, é salutar a lembrança de fundamental importância, também levar para as ruas o equilíbrio pessoal, que neste momento  é de extrema necessidade. E se for participar efetivamente, com um propósito firme, é recomendável colocar a razão acima das paixões partidárias. Levar uma dose generosa de tolerância, é imprescindível. E como acompanhamento, a consciência do pleno conceito de democracia, regime de governo pelo qual muitos deram sua própria vida. E que permitiu a escolha da primeira mulher como presidente do Brasil em sufrágio universal.

Igualmente importante, é estar consciente dos verdadeiros conceitos de amor à Pátria, no lugar do egoísmo e dos interesses estritamente pessoais e particulares. Difícil, mas um pouco de sentimentos nobres também pode acrescentar sabor especial ao objetivo do propósito. 

Além disso, leve a consciência de que o único lado que tem real importância, é o lado do bem estar geral da nação, e não apenas de uma parte dela. Independente da escolha pessoal, feita sob a ótica do grande jogo político que hoje travam as grandes agremiações políticas existentes no país. Aliás, pense na possibilidade de que essas exerçam o poder em benefício próprio e de seus comensais, em detrimento daqueles que acreditam que elas possam mudar a realidade daqueles que mais precisam.

Certifique-se estar consciente da existência de milhões de outras pessoas, que pesam de modo diferente. E de estar ciente de que, é das diferenças que nasce o bem comum, que traz benefícios para a grande maioria.

Afinal, existem milhões que não comungam com suas idéias, com suas opiniões,  e com objetivos pré-determinados. E outros tantos que querem distância de protestos e quaisquer tipos de manifestações, que no final acabam em dar em nada. Quanto muito, por satisfazer uma minoria.        

Uh, rapaz! Eu não vou… (Cartilha para quem quer distância dos protestos)



Por Luís Fernando Praga, no Carta Campinas – Prefácio: 

 - "Uns amigos me chamam de: “Seu Bosta!”, “Burro!”, “Petralha!” e “Mentiroso!”. Parecem ter raiva de mim…

Eles acham normal transformar uma discordância política em ofensa pessoal e ofendem a meu pai, minha mãe, a maioria de meus amigos, além de milhões de pessoas das quais divergem politicamente, mas de quem dependem no seu dia a dia.

Acreditam que o xingamento seja um bom argumento para defenderem suas ideias e fazem isso como quem diz “bom dia”.

Mas penso diferente e eles consideram difícil conviver com quem se sente bem, mesmo sendo diferente deles. Porém conviver com as diferenças é essencial para a coexistência.

Eles parecem não ligar muito pra coexistência. Me ofendem como se o alcance de seus raciocínios lhes desse o direito de gritar comigo e xingar, mas todos somos apenas humanos.

Tais amigos acreditam que, se o PT continuar, o país vai explodir. No mínimo, desde os protestos de 15 de março de 2015, há um ano, eles já estavam exaltados e pediam a saída do PT, com um medo insano e um ódio que só tem aumentado. O PT não saiu e nada de acontecer aquela coisa tão terrível, que nem sequer poderia esperar a próxima eleição, mas, segundo creem, vai acontecer se o PT continuar.

Estes amigos sentem “uma coisa ruim no corpo” quando leem a sigla PT ou os nomes Lula ou Dilma. Eles acham muito estranho que eu não seja como eles e que minha inteligência não acompanhe sua ampla visão política.

Realmente não acompanho. Não penso como eles, penso como eu! Prefiro estar onde eu estou e não onde eles estão.

Mas não devemos ter apenas diferenças. Sou favorável à justiça e contrário à corrupção. Amo meu país e a gente que vive nele. Acho que podemos melhorar o mundo. Gostaria que as pessoas não precisassem de leis, como tantas que não funcionam, para fazerem uma opção pela honestidade.

Sou contrário à truculência e ao prejulgamento. Sou contrário ao poder nas mãos de poucos, aos privilégios políticos, ao poder dos partidos e contrário aos segredos que eles nos escondem.

Mas eles estão querendo arrancar o poder de mãos legitimas e entregá-lo ilegalmente nas mãos de outro partido com muitos segredos e líderes cheios de malícia e cobiça.

Não defendo a santificação do PT nem de ninguém. Investigar a corrupção é essencial, mas de forma imparcial. Condenar sem julgamento é covardia, prepotência e abre precedentes para injustiças ainda mais terríveis do que as já praticadas pela “justiça” brasileira.

Não desejo me aliar a quem me chama de “Canalha!”, “Mau caráter!”, “Corno!”, “Pombo jogador de xadrez!” e “Ignorante!”, se há juristas como Celso Antônio Bandeira de Mello, Dalmo Dallari, Fábio Konder Comparato, entre tantos outros, que pensam mais como eu do que como eles.

Já pensaram que podem estar sendo manipulados para odiarem? Nenhum povo cria uma guerra; para isso é preciso um bom incitador, frio, calculista, que visa ao lucro com a nossa guerra e que não sofrerá com nossas perdas.

É legítimo protestar. É natural não gostar de um governo, mas ninguém precisa aceitar imposições de intolerantes. Ninguém tem que aplaudir o ódio! Ninguém tem que desejar o bem do país na base de xingamentos, exclusão e arbitrariedades.

Talvez um dia nos unamos e deixemos de alimentar nosso inimigo comum: no dia em que aprenderem a conversar; mas até lá…

Não, “amigos”, eu não quero pensar como vocês!

Eu estou entre os milhões de brasileiros que se orgulham das transformações sociais promovidas pelo operário que virou presidente e que vocês odeiam. Fico feliz em ver essas transformações levadas adiante e tenho orgulho de termos uma mulher (a quem vocês ofendem de forma triste e rasteira) ocupando a Presidência da República.

Eu não vou aos protestos! Estou feliz em me posicionar, por vontade própria, ao lado de milhares de personalidades admiráveis, de amigos que me entendem, de gente da paz, honesta e que não vai!

Dito isto, foi pensando nas pessoas que pensam diferente e desejam fazer qualquer outra coisa no domingo, que criei esta cartilha. Ela traz dicas e macetes práticos que nos pouparão de uma conversa longa, desgastante e infrutífera com aqueles para os quais não adianta explicar e contrariá-los pode ser perigoso.

A Cartilha

Não precisam ter receio nem constrangimento, é só seguirem a cartilha. Uma lição para cada tipo de “amigo” que os for convidar a protestar nesse domingão. Façam bom uso!
*Para evitar qualquer viés machista, o “Uh, rapaz!” pode ser substituído, sem prejuízo do conteúdo, por: “Menina, nem te conto!”, a critério do(a) usuário(a).

1)      “Amigo” católico reacionário:

Atenda a porta com a bíblia na mão, faça o sinal da cruz e diga:

_  Uh, rapaz! Não vai dar! Se fosse em abril eu podia.

_ Como não vai dar?! O protesto é agora!

_ É quaresma, esqueceu?

_ Mas vai todo mundo, vamos! Fora Dilma, fora PT!

_ Olha, eu adoraria, mas pra mim a quaresma é sagrada.

Ele vai ficar um pouco constrangido por ser menos fiel que você, então dê um “up” no moral do amigo:

_ Vai lá! Coloque a bruxa na fogueira por mim! Conto com você, amigão! Vai com Deus!

_ Está bem, reze por nós! Fique com Deus! E morte à escória!!

E ele partirá feliz.

2)      “Amigo” neonazista:

Atenda a porta com o braço direito estendido acima da altura do ombro, cara de mau e diga:
_ Uh, rapaz! Justo hoje? Não era amanhã? Nossa, te juro, se eu pudesse eu ia, mas meu pai me chamou pra bater nuns nordestinos pretos lá no sítio do meu avô e sabe como é, não dá pra desmarcar, compromisso familiar. Mas vai lá, amigão!

Seu amigo passará a te respeitar e partirá tranquilo ou vai pedir pra ir junto ao sítio. Reitere que é uma tradição só da família.

3)      “Amigo” crente na Globo:

Atenda a porta dizendo “ô pissiti, tudo em riba?” e quando ele disser: “ô da poltrona!” e te convidar, diga:

_ Uh, rapaz! Olha que fantástico, loucura, loucura, loucura! Estou indo para o protesto que vai ter na frente da casa do chefão, uma mansão construída ilegalmente em área de proteção ambiental, lá em Paraty. Vou protestar muito!

Como ele só vê a Globo, não vai saber do que se trata, vai achar que é contra o Lula, te dar o maiorrr apoio e te deixar em paz. Despeça-se com um soquinho no ombro dizendo: “É cilada, Bino!”.

4)      “Amigo” bolsonarista:

Atenda a porta apenas com uma toalha na cabeça e outra na cintura e diga:

_ Uh, rapaz! Ain, tô atrasado, é? ÓOOLIVER!! Ô ÓOOLIVER!!! Você espera o Óliver sair do banho e eu vestir uma roupinha? A gente vai sim! Você tá sabendo do Óliver, né? Veio do Haiti e a gente tá junto, o máximo! Acha que devo ir de shorts ou legging? Tô perdido E você vai assim? Tá tão sério! Ain, me dá um minuto pra me pentear?

Dê as costas e deixe a toalha da cintura cair; quando se virar novamente, seu amigo bolsonarista já terá partido. Pode ser que ele volte um dia para apedrejar sua casa ou tentar te seduzir, mas do mico do protesto você está livre.

5)      “Amigo” evangélico irado e fundamentalista:

Atenda a porta com a bíblia nas mãos e diga:

_ Uh, rapaz, na paz do Senhor! Irmão, não ficou sabendo? Já me comprometi com de ir ao templo, para um retiro de orações contra o Lula e a Dilma, o irmão entende? Aleluia?

_ Ah, irmão, contava tanto com a sua presença lá conosco! É tanto ódio dessa gentalha! E se a gente não fizer nada o diabo toma conta, irmão, vem comigo! Aleluia!

_ Uh, rapaz! Eu até ia, irmão, mas o pastor disse que vocês vão precisar de um respaldo de oração à distância, porque o mal que vocês vão enfrentar é muito grande, aleluia! E outra: alguém tem que pagar o dízimo, imagina se for todo mundo pra rua, se Deus vai gostar de ficar sem receber. Aleluia!

_ Está certo, irmão, se o pastor te convocou… Então eu vou sozinho, mas com um ódio redobrado dessa gente; quero que morram! Aleluia!

_ Sozinho não, irmão, Jesus vai com você pra te amparar no seu ódio, aleluia! Ele está sempre conosco, acha que Ele ia deixar de participar de um evento desse porte? Aleluia?

_ Tem razão, irmão, mas que ódio! Paz do Senhor, irmão!

_ Paz do Senhor! E fora Dilma, fora PT, morre, Lula! Aleluia!

6)      “Amigo”  capitalista selvagem:

Atenda a porta descalço, de shorts surrados, sem camisa e espere que ele se pronuncie:
_ Poxa, mas você ainda não está pronto?

Então diga:

_ Uh, rapaz! Que bom que você veio! Tô pronto sim, vamo que vamo! CREISU, JADSU, WELITU, DAYANY, JENIFI, TICO!! Vem, gente, o tio chegou e tá com o carro novo, vamos! Os filhos do vizinho vão também, é caminho, aí você só deixa eles no shopping. O pai os deixou gastar um pouquinho do que sobrou do bolsa família indo ao cinema hoje. Na volta do protesto, FORA PT!, os pegamos novamente. Onde é que estão essas crianças?!

Vire-se como se fosse procurar e, quando olhar de novo, magicamente seu amigo não estará mais lá e sumirá definitivamente da sua vida.

7)      “Amigo”  defensor da ditadura:

Atenda a porta fazendo “sentido!”, com a camisa generosamente lambuzada de ketchup e diga:
_ Uh, rapaz! Estava me preparando pra guerra, ops, pro protesto e sofri este acidente enquanto limpava minha escopeta. Foi no tórax, mas acho que dá pra ir! Uhh, uhhhh, rapaz!! A nação precisa de você! Senta a pua neles! Cadeia neles! Censura neles! Tortura neles! Uh, rapaz, tá doendo, acho que terá que ir sem mim… vá, soldado, vá!

Caia e espalhe um pouco de ketchup no coturno de seu amigo, olhe nos olhos dele como se fosse um adeus e simule um desmaio ou a morte.  Ele partirá e honrará seu compromisso com a pátria.
8)   “Amigo” PSDBista de carteirinha:

Atenda a porta portando um pixuleco e uma vuvuzela (quem diria que um dia eles seriam úteis) e diga:

_ Uh, rapaz! Tô um pouco atrasado, mas vou sem falta! Sabe se o Aécio vai mesmo?

_ Ainda não confirmou, mas ele não é homem de faltar a compromisso!

_ Isso, deve chegar de helicóptero. Homem de bem tá ali!

_ Um guerreiro!

_ Gênio!

_ Honesto!

_ Limpo!

_ Em todos os sentidos!

_ Generoso, macho!

_ … é mesmo!

_ E bonito, ainda, não é não? É o homem que o Brasil precisa! Vamos colocar o Aécio de presidente e o Moro de vice, já pensou?! Fora Dilma!

_ Claro, é pra isso que lutamos! Fora PT!

_ É, vamos lá! Fora PT! Corja de vagabundo! Cadeia pro Lula! Oh, vai indo na minha frente que só vou colocar a camiseta da CBF, a gente se encontra lá; vai esquentando pra mim. Pra me achar, eu vou com o pixuleco, a vuvuzela, a camiseta, minha bandana 45 e vou estar gritando muuuuito!! Vai me encontrar fácil, à direita do povão!

_ Ok, nos vemos lá. Fora PT! *Nossa, esqueci meu pixuleco! (*talvez ele não diga isso se tiver levado o pixuleco dele).

E deixe que ele vá se divertir…

Pronto! De uma forma simples, amigável e sem ofender ninguém, você pode ter um domingo sem ódio e ainda poupar uma série de bons argumentos para gastar com quem não estiver cheio de certezas ou muito nervozinho.

Finalmente, que ninguém se machuque e que deixemos de nos ferir mutuamente: está em nossas mãos, não nas dos políticos."

***

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente e compartilhe. Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger