terça-feira, 17 de novembro de 2020

Bolsonaro tripudia sobre cinismo dos generais. Por Fernando Brito

www.seuguara.com.br/charge/Aroeira/Hamilton Mourão/

Por Fernando Brito, no Tijolaço, em 14.11.2020 - "Não vamos deixar a política entrar nos quartéis", diz o general Edson Pujol, comandante do Exército, secundado pelo general-vice Hamilton Mourão. Seria ótimo que fosse verdade, mas é puro cinismo. Sem nos últimos anos, houve algo que entrou nos quartéis forma Bolsonaro e suas ideias tortas e fanáticas.
www.seuguara.com.br/charge/Aroeira/Hamilton Mourão/

Bastaria que se contasse a quantas festas, solenidades e formaturas nas quais, anos a fio, Jair Bolsonaro foi convidado de honra, com direito a confraternizar com as tropas e a fazer selfies como corinhos de "Mito", "Mito"...


Generais, se os senhores querem que suas palavras sejam levadas a sério, antes de tudo, respeitem a inteligência alheia e não venham, para usar a palavra da moda presidencial, de "conversinha"...


Quem fez a política entrar nos quartéis foram os senhores e será que Hamilton Mourão, que teve de ser afastado dos cargos que ocupava por declarações provocativas não contra um, mas contra dois presidentes (Dilma e Temer), tem autoridade moral para dar declarações como estas sem que nelas se veja hipocrisia?


Mas ainda pior, senhores generais: os senhores patrocinaram, além de tudo, um bom negócio para si mesmos, enxovalhando nossas Forças Armadas com a promiscuidade em que se meteram com este governo, avançando sobre cargos, com generais da reserva e da altiva (sim, da ativa!) sem o pudor, sequer, de dizer "não" quando se trata de "ajeitar" generais e almirantes no Ministério da Saúde e na Anvisa (para ficar só em dois casos) em meio a uma pandemia horrenda.


O "baixo-comando" militar (porque só assim se pode definir tamanha pequenez) foi apanhado em um movimento de pinça que, ironicamente, ele próprio construiu: perderam o respeito de suas tropas, tomadas pelo bolsonarismo, e perderam o respeito dos formadores de opinião, que os veem atirados a um apetite de poder incompatível com o papel moderno de forças armadas profissionais.


Gente de bem, nacionalista, capaz de separar o Exército Brasileiro da infausta aventura golpista de 64 tem de redobrar este esforço para superar a vergonha em ver nossos generais, depois de terem eles próprios arrombado as portas, dizerem que "a política não entrará nos quartéis".


Diz bem Cristina Serra, hoje, na Folha: "Muitos que ajudaram Jair Bolsonaro a se eleger, sabendo quem ele é, agora fingem espanto cada vez que ele aumenta a voltagem das barbaridades que despeja de sua boca pestilenta. Teve até general escrevendo cartinha lamuriosa. Sentem-se traídos? Bem feito". 


E ainda terem de se submeter à vergonha de aceitar, de bico calado, Bolsonaro, dizer que acha que as Forças Armadas devem "se manter apartidárias, baseadas na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República".


Como Bolsonaro não tem partido, estão apartidárias e sob suas "autoridade suprema". Suprema, mesmo, porque pode até achincalhar a dignidade da instituição, transformando-a em cordeirinho de suas extravagâncias.


Portanto, aceitem que puseram lá um fascista desmiolado, que bravateia fazer com que os EUA sintam "o cheiro de pólvora", para que possamos continuar a sentir o cheiro das queimadas ou, se não quiserem, tomem uma atitude de coragem, deixando de dar suporte às suas sandices. 


Imagem: reprodução/charge do Aroeira


RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger