sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

Política: O que Lula responderá quando Bolsonaro e Moro perguntarem sobre corrupção

Por Alisson Matos*: O ex-presidente Lula deu indícios nesta quarta-feira 15 do discurso que deve adotar na campanha da eleição 2022 quando for questionado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ex-juiz Sergio Moro sobre a corrupção nos governos do PT.

www.seuguara.com.br/entrevista/Lula/eleições 2022/corrupção/

Em entrevista à Rádio Clube de Blumenau, em Santa Catarina, o petista primeiro comparou as denúncias do tempo do mensalão às mais recentes, que envolvem o orçamento secreto.

“É uma vergonha o que está acontecendo. São 20 bilhões [de reais] para comprar voto de deputado. Isso nunca aconteceu. Isso sim é corrupção”, afirmou o ex-presidente.


Na conversa, ele ainda citou os avanços que atribui aos governos do PT. “Todos os mecanismos de combate à corrupção foram criados no nosso governo. O Portal da Transparência é elogiado no mundo inteiro. A Lei de Acesso à Informação, a Lei da delação premiada, a preparação da PF, a independência do Ministério Público e o investimento na inteligência”, avaliou Lula.


Na conversa, o petista ainda relembrou outros supostos casos de desvio de dinheiro público durante o governo atual.

“Bolsonaro protege os filhos e o chefe das rachadinhas. O Queiroz até hoje não foi prestar depoimento. O filho dele não foi prestar depoimento. O Pazuello na saúde montou uma quadrilha para comprar vacina. É só pegar o relatório da CPI da Covid”, citou o ex-presidente.


Já em relação a Moro, que o condenou na Lava Jato, Lula voltou a dizer que foi vítima de mentiras do hoje pré-candidato à Presidência.

“Se protegido com um a toga ele mentiu, eu fico imaginando o que ele pode fazer na campanha”, declarou. “Desmentimos esse deus de barro e vai ficar mais claro ainda na campanha. Quero saber se ele tem estrutura para aguentar uma campanha”, acrescentou. 


Ainda sobre a operação, Lula disse que o PT fez um mea-culpa ao deixar a investigação acontecer.

“Não houve um gesto da Dilma para impedir a investigação [da Lava Jato]. A melhor forma para se combater corrupção é deixar investigar”, afirmou. “Os diretores da Petrobras tinham mais de 30 anos de empresa, não foram indicação. No Brasil houve uma tomada de decisão de punir a empresa e os trabalhadores em benefícios de multinacionais”, disse. 


Veja a entrevista completa:




*Alisson Matos é editor do site de Carta Capital
Imagem: reprodução

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para agregar valor à matéria. Obrigado.

Arquivos

Site Meter

  ©Blog do Guara | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger